Revista Viva Saúde  
alguns ciencia comer dicas dor editorial existe nutrição saude tratamento
 
 
Edição 119 | EXPEDIENTE
Notícias / Home

  Como funciona a doação de órgãos

A carência de doadores ainda é um grande obstáculo para salvar muitas vidas

 

Por Priscila Moreira

 

A cidade de São Paulo é a capital que mais doa órgãos no Brasil. É importante esclarecer que a doação só acontece após a comprovação de morte encefálica (quando o cérebro para de funcionar, mas o coração e os outros órgãos continuam trabalhando).

 

O coordenador da Central de Transplantes do Estado de São Paulo, Luiz Augusto Pereira, informa que para se diagnosticar esse tipo de morte são necessários dois exames clínicos, feitos por dois médicos diferentes e um intervalo de seis horas, além de um exame gráfico complementar. "Para que a doação ocorra, é preciso que os familiares assinem um termo de autorização. Sem ele não podemos retirar nenhum órgão", afirma Pereira.

 

O intervalo entre a constatação do óbito e o início da retirada dos órgãos pode durar no máximo, 36 horas. Depois da autorização dos familiares, são feitos diversos exames para detectar doenças que possam inviabilizar o transplante, como HIV, hepatite B, hepatite C ou câncer. Depois, a central de transplantes é informada, para que possa identificar o paciente que receberá a doação. Podem ser transplantados órgãos coração, pulmão, pâncreas, rins e fígado, além de alguns tecidos, como córnea, pele, vasos, ossos e medula.

 

O Estado paulista possui Organizações de Procura de Órgãos (OPOs), distribuídas em várias regiões. Elas fazem buscas em instituições menores e oferecem todas as condições de suporte técnico e logístico para os transplantes. Luiz Pereira diz que qualquer hospital que tenha um paciente em estado terminal de morte encefálica, pode avisar a Central de Transplantes, e eles rapidamente providenciam toda a logística de armazenamento do órgão.

 

Pereira ressalta que o povo brasileiro é muito solidário e que por isso os números são promissores. Hoje, em São Paulo, 70% das famílias aceitam doar os órgãos do ente querido, dando a possibilidade de vida saudável à outra pessoa. É importante que os profissionais de saúde envolvidos com a transplantação esclareçam todo o processo, mostrem sua seriedade, transparência e importância social para que o número de doadores cresça e salve muitas vidas.

 





 
Viva Saúde :: 21/02/13
Chás que você deveria tomar todos os dias
 
Viva Saúde :: 20/02/13
Bye, bye, alface
 
Viva Saúde :: 20/02/13
O desafio do autismo
 

 
Viva Saúde :: Clínica Geral :: ed 79 - 2009
25 exames que seu médico deveria pedir


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 70 - 2009
9 formas eficazes de acelerar o metabolismo


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 78 - 2009
Alimentos que fazem a tireoide trabalhar mais (e você perder peso)


 










As novidades da Viva Saúde em primeira mão!





 


Faça já a sua assinatura!

Corpo a Corpo

A revista completa de beleza

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!

Dieta Já!
Conquiste o corpo que semprequis.

Assine por 1 ano
9x de R$ 9,20
Assine!
Outras ofertas!

Molde & Cia

Exclusiva como você.

Assine por 1 ano
11x de R$ 9,27
Assine!
Outras ofertas!

Viva Saúde

Pra viver mais e melhor

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!
 

Bye, bye, alface
Consumir salada no dia a dia é difícil? A dica é estimular seu paladar com diferentes tipos de folhas e molhos

As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
"Conte-me tudo, não me esconda nada". Essa é a súplica dos profissionais da saúde às pacientes



clínica geral
nutrição
família
viver bem
guia
nesta edição

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS