Revista Viva Saúde  
alguns ciencia comer dicas dor editorial existe nutrição saude tratamento
 
 
Edição 119 | EXPEDIENTE
Clínica Geral / Home

  DPOC: como combater a doença que é a 5a causa de morte no mundo!
Tosse, falta de ar, cansaço, catarro e dor no peito são os sinais desta doença progressiva e irreversível, muito comum entre os fumantes

Cristina Almeida

Irreversível, mas tratável
Embora a lesão nos pulmões causada pela DPOC seja de difícil recuperação, os especialistas afirmam que o tratamento é possível e seu objetivo é controlar os sintomas e retardar a evolução da doença. Todo o processo requer a colaboração de uma equipe multidisciplinar: "A primeira coisa a ser feita é parar de fumar. E vale a pena fazê-lo em qualquer fase da doença", fala Neder.
O tratamento medicamentoso clássico prevê o uso de broncodilatadores e corticoides inalatórios. Mas Jardim esclarece que um estudo apresentado no Congresso da Sociedade Respiratória Europeia (ERS), em setembro de 2010, mostrou que algumas inflamações dos pulmões na DPOC são resistentes aos corticoides, o que evidencia a necessidade do uso de drogas específicas, como o anti-inflamatório roflumilaste. Já liberado na União Europeia, o medicamento, fabricado pelo laboratório Nycomed, aguarda aprovação da Anvisa até o final do primeiro trimestre de 2011.
O pneumologista conta que somente há dez anos a DPOC foi definida como doença inflamatória. Como a asma era uma patologia semelhante e respondia bem aos corticoides, pacientes de DPOC passaram a ser tratados da mesma forma, nem sempre com bons resultados. Para o especialista, o controle correto da inflamação é importante porque

Efeitos colaterais
Na opinião de Neder, a maior vantagem do novo medicamento é "a ausência dos efeitos colaterais provocados pelo uso crônico de corticoides orais, além de poder ser ministrado via oral, uma vez ao dia". Jardim pondera que corticoides inalatórios podem trazer efeitos suaves, mas eles são compensados por seus resultados. "Com o roflumilaste não é diferente, pois pode causar diarreia e náuseas no início de seu uso em 5% a 10% dos pacientes. Mas o fato é que o tratamento funciona para aqueles que não respondem à terapia clássica".
Outra modalidade coadjuvante é a oxigenoterapia, que permite inalação direta de oxigênio com o auxílio de um cateter ou de uma máscara, e é útil especialmente nos casos graves. A reabilitação pulmonar, por meio de exercícios realizados com o apoio de fisioterapeutas, visa ao fortalecimento do organismo, habilitando-o para a realização das tarefas diárias. Cirurgias são também opções possíveis nos casos em que haja necessidade de reduzir o volume pulmonar, colocar stents ou transplante de pulmão.

O perigo da desnutrição
Irma de Godoy, professora livre-docente de Pneumologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual de São Paulo, comenta que a demora do paciente em procurar ajuda se justifica porque ele só vai ao médico quando passa a sentir falta de ar. A tosse é geralmente ignorada, porém, quando ele se apresenta diante de um especialista, já são visíveis os sinais da perda de peso e da massa magra. A razão para isso seria o desequilíbrio entre o que se ingere e o gasto energético.
Confirmado o quadro de desnutrição, o objetivo da terapia nutricional é atingir uma meta capaz de prevenir a perda de peso, mas o ideal é que ela integre um programa de reabilitação pulmonar, em que seja possível combinar dieta e exercícios físicos.

O objetivo do tratamento é aliviar os sintomas, evitar crises e controlar a progressão da doença para reduzir a mortalidade e melhorar a qualidade de vida do paciente

Prevenção e vida social
E para prevenir? Se a maior causa da DPOC é o tabagismo, parar de fumar é imperativo. Evitar ambientes onde haja propagação de fumaça é uma medida profilática. O pneumologista José Alberto Neder destaca ainda o maior risco para o desenvolvimento da doença entre as mulheres.
Toda a ação multidisciplinar visará, então, a aliviar sintomas, controlar a progressão da doença, complicações, crises e eventuais efeitos colaterais decorrentes do próprio tratamento, mas o maior objetivo é reduzir a mortalidade, melhorar a capacidade de praticar exercícios e a qualidade de vida. Nesse último aspecto, Neil Barnes, consultor em Medicina Geral e Respiratória do London Chest Hospital (Reino Unido), observa que o impacto da DPOC pode ser devastador. "Há perda progressiva da habilidade para se vestir, falar, dormir e até para a atividade sexual", diz. "Isso também reflete na vida social, pois a doença isola os pacientes, afetando suas relações."
Manoel de Souza confirma: "Há anos não posso sair com minha esposa, sequer para um jantar". A preocupação é a friagem, um eventual acesso de tosse, a mastigação difícil que pode tirar o fôlego: "Quando recebi o diagnóstico, achei que iria morrer. Mas segui o tratamento indicado e logo notei melhora na vida como um todo", fala.

 

A ALIMENTAÇÃO DE QUEM TEM DPOC
● Como a doença causa desnutrição com perda muscular, a dieta deve ser hiperproteica, combinada com carboidratos.
● As proteínas (peixes, de preferência) devem estar presentes em todas as refeições e corresponder a 20% de tudo quanto se come.
● O ideal é que as refeições sejam feitas de forma fragmentada, a cada 3 horas, com prévio descanso de, ao menos, 30 minutos.
● Os alimentos não devem ser duros, dandose preferência aos de fácil mastigação.
● Outra particularidade da DPOC é a inflamação sistêmica, que potencializa o processo oxidativo. Assim, a dieta deve também incluir vitaminas antioxidantes, principalmente as do tipo A, C e E.
● Para garantir o consumo de vitamina A, inclua no cardápio mamão e cenoura.
● Frutas cítricas, como laranja e limão, e folhas verde-escuras fornecem vitamina C.
● Castanhas, nozes, avelãs e azeite são fontes importantes de vitamina E.

Produção: Janaina Resende / Infográfico: Helton Gomes / Modelo: Felipe Azevedo (Agência: TEN Model)

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2



 
Viva Saúde :: 20/02/13
As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
 
Viva Saúde :: 20/02/13
Retenção de líquidos
 
Viva Saúde :: 19/02/13
O que perguntar antes da cirurgia
 

 
Viva Saúde :: Clínica Geral :: ed 79 - 2009
25 exames que seu médico deveria pedir


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 70 - 2009
9 formas eficazes de acelerar o metabolismo


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 78 - 2009
Alimentos que fazem a tireoide trabalhar mais (e você perder peso)


 










As novidades da Viva Saúde em primeira mão!





 


Faça já a sua assinatura!

Corpo a Corpo

A revista completa de beleza

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!

Dieta Já!
Conquiste o corpo que semprequis.

Assine por 1 ano
9x de R$ 9,20
Assine!
Outras ofertas!

Molde & Cia

Exclusiva como você.

Assine por 1 ano
11x de R$ 9,27
Assine!
Outras ofertas!

Viva Saúde

Pra viver mais e melhor

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!
 

Bye, bye, alface
Consumir salada no dia a dia é difícil? A dica é estimular seu paladar com diferentes tipos de folhas e molhos

As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
"Conte-me tudo, não me esconda nada". Essa é a súplica dos profissionais da saúde às pacientes



clínica geral
nutrição
família
viver bem
guia
nesta edição

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS