Revista Viva Saúde  
alguns ciencia comer dicas dor editorial existe nutrição saude tratamento
 
 
Edição 119 | EXPEDIENTE
Família / Home

  Quando o remédio pode fazer mal
Recente pesquisa divulgada pelo Jornal da Associação Médica Americana revela: mais da metade dos pacientes entre 57 e 85 anos tomam cinco remédios diferentes por dia. E os efeitos desse excesso são sentidos em todo o corpo

Por Juliana Tirabosch

Outro problema comum chamase cascata medicamentosa. Acontece quando o paciente sofre um efeito colateral relacionado a algum remédio e acaba tomando outra droga para tratar aquela reação. O novo medicamento causa um outro efeito adverso, e assim por diante. Imagine o seguinte cenário: o indivíduo sente uma tontura e não vai ao médico.

Vai até uma farmácia e compra um antivertiginoso. Alguns deles podem causar sintomas semelhantes aos provocados pela doença de Parkinson, levando sua família ou até seu médico a pensar que ele desenvolveu tal patologia. "É preciso primeiro investigar a causa da tontura", diz Milton Gorzoni, coordenador da Geriatria na Santa Casa de São Paulo.

Por isso, é de extrema importância que o profissional da saúde analise cada caso e saiba distinguir se um sintoma é sinal de uma nova doença ou se é um efeito colateral de uma substância que o paciente já está ingerindo. Milton Gorzoni aconselha que os pacientes levem os próprios remédios para checagem do médico a cada nova consulta. Isso evita problemas como dois profissionais de diferentes especialidades prescreverem medicamentos do mesmo tipo ao paciente, sobrecarregando seu organismo.

Até alguns tipos de alimento, como o cálcio dos laticínios, podem prejudicar a absorção de medicamentos ou piorar as reações adversas

Contorne o problema
Então, já que o idoso tem uma necessidade maior de ingerir medicamentos, como contornar tantos efeitos colaterais? Carlos André Freitas dos Santos, professor assistente da disciplina de Geriatria e Gerontologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sugere cinco passos.

O primeiro é o médico avaliar se um determinado remédio é fundamental para aquele paciente. O segundo é ponderar se os sintomas apresentados não são efeitos colaterais de outro medicamento. Se for assim, o profissional pode diminuir a dose ou substituir a droga para atenuar o problema. O terceiro passo é, definido que o medicamento é realmente necessário, prescrever uma dose pequena.

A quarta etapa é reavaliar o paciente dentro de duas a quatro semanas para verificar se o remédio está tendo o efeito desejado. Por fim, o quinto e último passo é determinar até quando o idoso vai ingerir o medicamento e enfatizar essa informação para o paciente. Muitos esquecem que já deviam ter parado de tomar determinado remédio e o continuam fazendo durantes meses ou anos, sem necessidade. Se for uma droga de uso prolongado, o paciente deve ser reavaliado regularmente.

Tomando essas precauções, fica mais fácil enfrentar as dificuldades naturais do envelhecimento com mais conforto e qualidade de vida.

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2



 
Viva Saúde :: 20/02/13
O desafio do autismo
 
Viva Saúde :: 21/02/13
Chás que você deveria tomar todos os dias
 
Viva Saúde :: 20/02/13
Bye, bye, alface
 

 
Viva Saúde :: Clínica Geral :: ed 79 - 2009
25 exames que seu médico deveria pedir


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 70 - 2009
9 formas eficazes de acelerar o metabolismo


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 78 - 2009
Alimentos que fazem a tireoide trabalhar mais (e você perder peso)


 










As novidades da Viva Saúde em primeira mão!





 


Faça já a sua assinatura!

Corpo a Corpo

A revista completa de beleza

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!

Dieta Já!
Conquiste o corpo que semprequis.

Assine por 1 ano
9x de R$ 9,20
Assine!
Outras ofertas!

Molde & Cia

Exclusiva como você.

Assine por 1 ano
11x de R$ 9,27
Assine!
Outras ofertas!

Viva Saúde

Pra viver mais e melhor

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!
 

Bye, bye, alface
Consumir salada no dia a dia é difícil? A dica é estimular seu paladar com diferentes tipos de folhas e molhos

As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
"Conte-me tudo, não me esconda nada". Essa é a súplica dos profissionais da saúde às pacientes



clínica geral
nutrição
família
viver bem
guia
nesta edição

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS