Revista Viva Saúde  
alguns ciencia comer dicas dor editorial existe nutrição saude tratamento
 
 
Edição 119 | EXPEDIENTE
Clínica Geral / Home

  Calor fora de hora
Se antes dos 32 anos de idade surgirem sintomas como ondas de calor, suores noturnos, irregularidade menstrual, diminuição da libido, insônia, aumento de peso e irritabilidade, atenção: pode ser a menopausa precoce dando seu sinal

POR ROSE MERCATELLI
FOTOS FERNANDO GARDINALI

Climatério e menopausa: muita gente ainda acredita que essas duas palavras são sinônimos. Mas não são, não. Embora mantenham uma estreita ligação, cor respondem a dois estágios perfeitamente naturais na vida de qualquer mulher. O primeiro refere-se ao período de transição entre a fase reprodutiva para a não-reprodutiva. A característica principal do climatério é, digamos, o início do fim da função regular dos ovários. Nessa etapa, que começa alguns anos antes da menopausa propriamente dita, os ovários paulatinamente diminuem sua produção de hormônios sexuais femininos, como o estrogênio até que, por volta dos 50 anos de idade, encerram suas atividades. Nesse momento, quando não há mais ovulação e cessa a menstruação, a chegada da menopausa então pode ser decretada oficialmente.

Durante esse período, a mulher experimenta uma série de mudanças físicas, psicológicas e sociais importantes que começam no climatério que teve início alguns anos atrás. Porém, para algumas, a menopausa chega com, pelo menos, 15 anos de antecedência — bem no período em que a maioria ainda pode ter filhos. Quando isso acontece, os médicos avisam: a mulher pode estar entrando em um quadro de menopausa precoce. Para você entender melhor o assunto confira as perguntas mais freqüentes que surgem nos consultórios dos especialistas.

Quem responde às questões é a médica Ana Paula Santiago Junqueira, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Camilo, de São Paulo.

Tratamento requer hormônios e exercícios

1 - O que é menopausa precoce?
É o quadro clínico que se apresenta quando a mulher entra na menopausa antes dos 32 anos, ou seja, período em que ela fica um ano ou mais sem menstruar com sintomas específicos. Junte a isso a comprovação de alteração da dosagem hormonal a partir de exames de laboratório específicos e o profissional poderá diagnosticar ou não o problema. Os exames de sangue são importantes porque, na menopausa precoce, a concentração de estrogênio se apresenta baixa.

2 - Ela pode ser considerada um distúrbio hormonal?
Não é um distúrbio hormonal, mas a falência ovariana em uma mulher jovem. A falência ovariana prematura (FOP) é a perda temporária ou definitiva da função gonadal (de produzir hormônios) que acontece após a menarca (primeira menstruação) e antes dos 40 anos de idade. Ela é caracterizada pela diminuição do número de folículos ovulatórios (óvulos) e é exatamente essa condição que vai gerar alteração hormonal.

3 - Qual a causa mais importante para o seu surgimento?
Não existe uma causa determinante. Ela pode ocorrer por vários fatores como o histórico familiar. Na verdade, a idade da menopausa não está relacionada à época da primeira menstruação, mas sim quando a mãe e as irmãs da paciente entraram em menopausa. Existem trabalhos que mostram interligação das idades da mãe com a da filha, porém esta não é a regra geral para uma FOP. Há também outros fatores externos que podem antecipar a menopausa, como remoção dos ovários ou de grande parte deles e tratamentos contra o câncer, por exemplo.

4 - Como radioterapia e quimioterapia podem causar menopausa precoce?
Os dois tratamentos têm como objetivo impedir o crescimento celular. Porém, não atingem apenas as células malignas, mas as que também estão sadias. Por isso, entre outros efeitos colaterais, os tratamentos anti-câncer podem levar a uma falência prematura dos ovários. Existem ainda outras medicações que podem gerar a chamada menopausa química, que ocorre independentemente da idade da paciente. Um exemplo é o uso de um medicamento comumente indicado para casos de endometriose. Há também a menopausa precoce cirúrgica, caracterizada pela retirada dos ovários (geralmente, para quem teve diagnóstico de câncer).

5 - Existe algum defeito genético que possa provocar a falência prematura dos ovários?
Sim, existem doenças genéticas específicas que provocam distúrbios ovarianos, mas estas não são as grandes causadoras da menopausa precoce. Alterações do cromossoma X, como a Síndrome de Turner ou a Síndrome do X Frágil, podem ser consideradas possíveis causas da falência prematura dos ovários.

6 - Como as doenças auto-imunes (lúpus) e metabólicas (diabetes) podem interferir no organismo feminino e fazer com que a ovulação e a menstruação terminem mais cedo?
Mulheres que estão em seu ciclo reprodutivo de vida e que sofrem com doenças auto-imunes, tais como lúpus e inflamações na tireóide (Tireoidite de Hashimoto), ou de problemas metabólicos como o diabetes, ou ainda infecções virais adquiridas, podem necessitar de medicações que acabam por acelerar o processo da menopausa precoce. Ou seja, não é propriamente a doença que provoca a alteração e, sim, o efeito da utilização da medicação.

7 - Quais são os principais sintomas desse quadro?
Os sintomas variam de mulher para mulher, mas são semelhantes aos da menopausa que ocorre no tempo certo. Em geral, podem ser divididos entre os físicos e os emocionais.

OS FÍSICOS SÃO: • Ondas de calor — os chamados fogachos atingem 80% das mulheres. As ondas aparecem subitamente e duram de 5 a 30 minutos, acompanhadas de suor intenso e desconforto.
• Suores noturnos.
• Irregularidade menstrual — o fluxo menstrual vai diminuindo progressivamente. De vez em quando pode tornar-se abundante, parar por alguns meses, reaparecendo depois em ciclos esparsos. • Ressecamento vaginal — sintoma que provoca desconforto especialmente durante as relações sexuais.
• Diminuição da libido — a vontade de praticar sexo sofre uma perceptível redução.
• Incontinência urinária — por perda de tônus da bexiga.
• Dores de cabeça.
• Alterações na pele e nos cabelos.
• Insônia e cansaço.
• Perda de memória.
• Aumento de peso.
• Perda de força muscular.
• Perda de massa óssea, com decorrente risco de osteoporose.

OS EMOCIONAIS SÃO:
• Nervosismo, irritabilidade.
• Alterações do humor.
• Tensão, ansiedade.
• Depressão.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>



 
Viva Saúde :: 20/02/13
As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
 
Viva Saúde :: 20/02/13
Retenção de líquidos
 
Viva Saúde :: 19/02/13
O que perguntar antes da cirurgia
 

 
Viva Saúde :: Clínica Geral :: ed 79 - 2009
25 exames que seu médico deveria pedir


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 70 - 2009
9 formas eficazes de acelerar o metabolismo


Viva Saúde :: Nutrição :: ed 78 - 2009
Alimentos que fazem a tireoide trabalhar mais (e você perder peso)


 










As novidades da Viva Saúde em primeira mão!





 


Faça já a sua assinatura!

Corpo a Corpo

A revista completa de beleza

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!

Dieta Já!
Conquiste o corpo que semprequis.

Assine por 1 ano
9x de R$ 9,20
Assine!
Outras ofertas!

Molde & Cia

Exclusiva como você.

Assine por 1 ano
11x de R$ 9,27
Assine!
Outras ofertas!

Viva Saúde

Pra viver mais e melhor

Assine por 1 ano
10x de R$ 9,48
Assine!
Outras ofertas!
 

Bye, bye, alface
Consumir salada no dia a dia é difícil? A dica é estimular seu paladar com diferentes tipos de folhas e molhos

As mentiras que as mulheres contam (aos médicos)
"Conte-me tudo, não me esconda nada". Essa é a súplica dos profissionais da saúde às pacientes



clínica geral
nutrição
família
viver bem
guia
nesta edição

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS