assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Hortelã para prevenir dores de cabeça e enxaqueca

Publicado em 01 de Jan de 2015 por Clara Ribeiro | Comente!

Há evidências de que a hortelã, além de rica em nutrientes e minerais, é aliada no combate de problemas de fígado, cólicas, enxaquecas e gripes. Saiba mais



Texto: Tayane Garcia / Foto: Fabrizio Pepe / Adaptação: Clara Ribeiro

Para melhorar a eficácia da hortelã, alguns alimentos, quando misturados a ela, podem

otimizar seu efeito. Conheça seus benefícios

Foto: Fabrizio Pepe

Conhecida cientificamente como Menthapiperita, a hortelã é uma planta aromática, utilizada tanto na medicina caseira como em forma de tempero na gastronomia. Ela é rica em vitaminas A, B e C, sais minerais como ferro, cálcio e potássio e tem o gosto mais adocicado. A planta é composta por óleos essenciais – como o mentol e a mentona -, responsáveis por causar efeito analgésico, antiespasmódico, calmante, antiviral e anti-inflamatório.

Além disso, a erva também possui flavonoides (antioxidantes capazes de proteger os vasos sanguíneos) e triterpeno, substância com efeito analgésico, antioxidante e anti-inflamatório.

NA DOSE CERTA

A especialista Gabriela Zugliani, nutricionista (RJ), diz que a recomendação de consumo para o adulto é de duas xícaras por dia entre as refeições, o equivalente a 5g de folhas secas para um copo de água fervente. “Todos podem fazer uso do chá, exceto crianças menores de seis anos, gestantes e idosos. Para portadores de doenças intestinais e cardíacas também não é indicado”, alerta Gabriela.

Para melhorar a eficácia da hortelã, alguns alimentos, quando misturados a ela, podem otimizar seu efeito. É o caso do gengibre para as náuseas, o mel para casos de vermes, o louro para gases, a romã para problemas como a parasitose intestinal, e a alcachofra, para os casos de intolerância a gorduras.

INDICAÇÕES

  • Problemas do fígado
  • Cólicas
  • Síndrome do cólon irritável e gases
  • Tosse com muco
  • Gripe
  • BronquiteEnxaqueca e dores de cabeça

Revista VivaSaúde - Edição 132



COMENTE!