assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Gordura trans e seus malefícios à saúde

Publicado em 04 de Nov de 2013 por Ingrid Tanii | Comente!

Consumir 5 g diárias desse tipo de gordura aumenta em 25% o risco de doenças cardíacas. Confira



Texto: Sílvia Dalpicolo/ Foto: Reprodução/ Adaptação: Ingrid Tanii

                A gordura trans diminui o colestero bom (HDL) e aumenta o ruim (LDL)

                                                          Foto: Reprodução

O que é gordura trans? 

“São gorduras insaturadas que sofrem um processo de hidrogenação das gorduras vegetais (quando os líquidos em temperatura ambiente passam para a forma sólida ou semissólida)”, explica Durval Ribas Filho, nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

As trans estão presentes nas batatas fritas, nos bolos, nos biscoitos cream cracker e nas bolachas recheadas, no chocolate, nos salgadinhos, no sorvete, na pipoca de micro-ondas, na margarina e em muitos outros alimentos industrializados. A substância é a responsável por dar mais consistência a esses produtos, melhorando sua textura, deixando-os mais crocantes, e conservando-os por mais tempo.

Leia mais sobre a gordura trans

Reflexos á saúde

O aumento de gorduras trans nos alimentos reflete, consequentemente, altos índices de ingestão. O resultado direto são malefícios à saúde: “Embora seja de origem vegetal, a trans é modificada industrialmente e, graças a esse processo, o corpo humano não consegue absorvê-la. Mas, além de sua inutilidade, ela é responsável por diminuir o colesterol bom (HDL) e aumentar o ruim (LDL). Ou seja, só faz mal”, enfatiza Roseli.

Outro efeito negativo, igualmente sério, é que a substância provoca o acúmulo de gorduras nas paredes dos vasos sanguíneos: é a chamada de aterosclerose, uma espécie de fator-chave para a ocorrência de um ataque cardíaco ou de um acidente vascular cerebral (AVC).

Zero gordura trans

A vilã já é proibida em países como Dinamarca e Suíça, que decidiram que seu uso é ilegal. Nova York e Seattle, nos EUA, também entraram na onda de vetá-la completamente. No Brasil, com o intuito de controlar a indústria alimentícia, desde 2006 está em vigor uma resolução criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que obriga as empresas a informar nos rótulos a quantidade de gorduras trans presente nos alimentos.

Apesar disso, algumas empresas ainda omitem a presença do ingrediente ou estampam a informação “zero de trans” quando, na verdade, ela está ali. Enquanto as mudanças na indústria alimentícia não vêm, é importante se policiar. Prefira os alimentos naturais aos industrializados e, quando consumi-los, leia atentamente as informações do rótulo. E o mais importante: controle-se para não ultrapassar a recomendação diária, de 2 g.

Revista VivaSaúde Ed. 74



COMENTE!