Super Banner

Complicações no aparelho urinário masculino

Publicado em 14 de May de 2013 por Ana Paula Ferreira | Comente!

Problemas neste sistema podem prejudicar a qualidade de vida dos homens, principalmente após a meia-idade. Saiba quais são as complicações no aparelho urinário



Texto: Nathalie Ayres / Foto: Shutterstock / Adaptação: Ana Paula Ferreira

Doenças crônicas como diabetes tipo 2 podem piorar os problemas do aparelho urinário

masculino, mas levar uma rotina saudável pode ajudar a evitar estas complicações.

Foto: Shutterstock

Com o passar dos anos, o corpo já não é mais o mesmo. As mãos perdem um pouco da agilidade, a vista se cansa, as costas teimam em não ficar mais tão eretas... E muitas vezes até o sistema urinário dos homens começa a sair do eixo: fazer xixi passa a ser uma tarefa difícil. “Existem várias causas, mas as três principais são: aumento da próstata, alterações na musculatura da bexiga e mudança no ritmo de produção dos rins”, explica Alfredo Canalini, urologista e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU-RJ).

Esse é um processo natural do corpo, portanto, nem sempre pode ser prevenido. “Deve-se fazer o diagnóstico precoce por meio dos exames de rotina ou indo ao médico assim que aparecerem os sintomas”, destaca Ernestino Gomes, urologista do Hospital Sírio-Libanês (SP). Os sinais podem ser de três tipos: obstrutivos, quando é preciso maior esforço e há a sensação de que não se esvaziou a bexiga totalmente; irritativos, como a vontade de ir ao banheiro a todo instante; e os de diminuição da urina, que levam o indivíduo a acordar diversas vezes à noite para ir ao banheiro.

A manutenção da saúde corporal ao longo da vida também faz diferença. Doenças crônicas como diabetes tipo 2 podem piorar esses problemas, mas levar uma rotina saudável ajuda: “não fumar, para evitar o câncer de bexiga, beber líquidos com frequência e ingerir pouco sal diminuem as chances de cálculos renais”, diz Canalini.

A seguir, você conhecerá mais sobre as complicações comuns do aparelho urinário masculino:

Hiperplasia de próstata

Um nome complicado que significa um aumento desse órgão. “É o tumor benigno que acomete todos os homens no processo de envelhecimento”, esclarece Canalini. Com o tempo, alguns pacientes com esse problema podem apresentar dificuldades para urinar, pois a uretra é esmagada, bloqueando seu canal. É isso, principalmente, que traz malefícios, como infecções, sangramentos ou mesmo insuficiência renal. A doença aparece após os 45 ou 50 anos de idade, quando é preciso fazer sempre check-ups para diagnosticá-la e realizar o tratamento, ou com remédios que impedem o crescimento da próstata ou mesmo com cirurgia.

Incontinência urinária

É a perda de urina sem querer, seja no banheiro ou em outros momentos, ao fazer movimentos bruscos ou durante o sono, por exemplo. Pode ser culpa de mal funcionamento da bexiga, nos músculos que fecham a uretra ou na próstata, principalmente após cirurgias para tratar câncer nessa região. Doenças neurológicas também podem estar relacionadas. O tratamento depende da causa, e varia de medicação até mesmo cirurgia. E ainda que pareça pouco, é importante tratar a incontinência, pois, com o tempo, ela leva não só ao desconforto como a doenças de pele: “há a ocorrência de dermatites amoniacais nas áreas genitais com riscos de infecções fúngicas e bacterianas”, explica o urologista Gomes.

Bexiga hiperativa

Ocorre quando o órgão sofre contrações que fazem com que o líquido não fique retido por muito tempo. Os sintomas são perdas urinárias (a incontinência) e vontade repetida de ir ao banheiro. “As causas mais frequentes são as sequelas de acidente vascular cerebral (AVC), Parkinson, síndromes demenciais como o Alzheimer ou a idade”, lista Gomes. Antes de começar o tratamento, é preciso verificar se há outra doença que esteja ocasionando o problema, para então combatê-la. Se não houver, existem várias opções, como a aplicação de toxina botulínica na parede da bexiga, assim como medicamentos específicos e até mesmo a indicação de fisioterapia.

 

Revista VivaSaúde edição 113



COMENTE!