assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Evite varizes na gravidez

Publicado em 22 de Jan de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

Exercícios durante a gravidez podem ajudar na prevenção de varizes. Conheça as estratégias para evitar estes incômodos.



Por: Diego Benine/ Adaptação: Letícia Maciel

mulher grávida fazendo exercício

Evite ficar muito tempo em uma postura estática,faça exercícios para diminuir os
inchaços e varizes. Foto: Divulgação.

Durante a gravidez, o sistema circulatório da futura mamãe passa por mudanças significativas que podem resultar no aparecimento de distúrbios de saúde considerados benignos, porém incômodos. É o caso de varizes e inchaços dos membros inferiores. "A gestação cursa alterações hemodianâmicas na mulher, aumento de volume de sangue, maior retenção de líquido e aumento do débito cardíaco (bombeamento do coração). Isso tudo pode resultar nestes problemas", afirma Gustavi Kroger, ginecologista e obstreta da clínica Genics Medicina Reprodutiva e Genômina (SP).

As varizes são veias que se dilatam de maneira anormal. Elas apresentam uma coloração púrpuro-azulada e, caso não sejam tratadas, podem comprometer a autoestima da gestante e provocar dores, inchaços e sensação de cansaço nas pernas.

"Como há um aumento de volume sanguíneo circulante, o coração fica sobrecarregado e passa a trabalhar em um ritmo mais forçado. Sendo assim, as veias das pernas, que irrigam as extremidades do corpo, podem apresentar uma insuficiência na hora de retornar o fluido ao coração, dando origem à doença varicosa", explica Mariano Tamura, ginecologista, obstetra e autor do livro A Segunda Gravidez (CMS Editora). Para evitar a doença, o médico aconselha o uso de meias elásticas de média compressão para gestantes."Elas  apertam os vasos e ajudam a empurrar o sangue para o coração.Cuidados com a postura também   ajudar", afirma o ginecologista.

Korger ressalta que as varizes são um defeito permanente nas válvulas venenosas, mas que o aspecto delas pode melhorar após o término da gravidez devido à normalização das condições circulatórias.

A ordem é se mexer!

Evite ficar muito tempo em uma postura estática-em especial, sentada-por tempo prolongado. Além de dificultar ainda mais o retorno do sangue, este hábito faz que o útero exerça pressão sobre as veias. O ideal é intercalar repouso com caminhadas. Esta atividade coloca os músculos da panturrilha para trabalhar e ajuda a bombear o sangue de volta para o coração. Quando for deitar, coloque as pernas em uma posição mais alta (de preferência, sobre um travesseiro). "Isso melhora o retorno venoso, resultando em uma maior filtração do sangue pelos rins, que eliminam mais sais na urina e reduzem a retenção de líquido pelo corpo", recomenda Kroger.

Cuidado com a alimentação

Outro distúrbio bastante comum neste perído são as hemorróidas (inflamação das veias dos ânus). "No geral, elas surgem do meio para o fim da gravidez- que é quando o útero exerce mais peso nas veias do abdome. Nas mulheres que já sofrem o problema, a incidência de crises aumenta, assim como as dores", esclarece Tamura. Segundo o especialista, a melhor maneira de evitar o desconforto é fazendo uma dieta rica em fibras para que o intestino possa funcionar diariamente, evitando o ressecamento das fezes.

Pré-êclampsia: rara e perigosa

O problema circulatório mais grave que pode surgir durante a gestação é a pré-êclampsia. Trata-se de uma complicação rara que aparece com mais frequência na segunda metade da gestação. De acordo com Tamura,a causa da doença, muitas vezes, pode estar relacionada à formação da placenta. "Em alguns casos, este anexo tem dificuldades para penetrar no útero. O coração bate com mais força para ajudar no processo, mais isso acaba elevando a pressão arterial."

Ele alerta que os principais sintomas são o aumento da pressão acompanhado de inchaço nas extremidade, bem como a perda de proteína pela urina. Se não for acompanhada por um médico, a pré-eclâmpsia pode trazer riscos para a saúde: mau funcionamento dos rins, disfunções do fígad, convulsões (casos raros) e até uma restrição no processo de crescimento do bebê. Contudo, o maior perigo está na possibilidade da doença evoluir para um quadro de eclâmpsia, o que pode levar a mãe à óbito.

A melhor maneira de se previnir está no acompanhamento pré-natal (fazer constantemente medidas de peso e pressão arterial, bem como os exames laboratoriais solicitados). Pacientes com pré-eclâmpisia leve devem fazer repouso, bem como seguir a dieta ministrada pelo médico-a qual geralmente reduz o consumo de sal.

 



COMENTE!