assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Dia Mundial da Higienização das Mãos

Publicado em 05 de May de 2017 por Kelly Miyazato | Comente!

No Dia Mundial da Higienização das Mãos, consultamos um infectologista para explicar a importância do ato para prevenir e evitar a transmissão de doenças. Saiba mais!



 

Dia Mundial da Higienização das Mãos

Para celebrar o Dia Mundial da Higienização das Mãos, é de extrema importância ficar atento ao hábito de manter a higiene em dia para prevenir e evitar a transmissão de doenças, como explica Paulo Furtado, infectologista do Hospital Niterói D’Or (RJ).

Furtado comenta que embora a ação do álcool em gel seja tão eficaz quanto a lavagem com água e sabão, ele não elimina a sujidade. "Ao lavar as mãos, você pode remover suor e oleosidade, impurezas e células mortas, que propiciam ambiente de proliferação de bactérias, fungos e vírus. Sem falar que o ato auxilia na prevenção de conjuntivite, gripe, doenças de pele e gastroenterites", acrescenta.

"Vale lembrar que as ações de higiene das mãos são mais eficientes quando a pele das mãos é livre de lesões/cortes, as unhas estão no tamanho natural, curtas e sem esmalte, assim como as mãos e antebraços sem adereços e descobertos", afirma.

  • Furtado recomenda lavar as mãos especialmente nas seguintes ocasiões:

- Antes de comer ou manusear alimentos;

- Após ir ao banheiro;

- Após assoar o nariz, tossir ou espirrar;

- Antes de efetuar qualquer ação que inclua o contato com mucosas corporais (por exemplo, colocar ou retirar lentes de contato);

- Após tocar animais ou seus dejetos;

- Após manusear resíduos (por exemplo, lixo doméstico);

- Após usar transportes públicos;

- Antes e após tocar doentes ou feridas (cortes, arranhões, queimaduras, etc.);

- Antes e após uma visita a um doente internado (hospital ou outra instituição).

 

“Na hora de higienizar: retire todos os acessórios (anéis, pulseiras, relógios); para secar as mãos, sempre que possível, opte por toalha de papel e, em ambientes públicos, feche a torneira com papel ou com o antebraço”, conclui.

 

*Por Kelly Miyazzato | Foto Shutterstock | Agradecimentos ao Paulo Furtado, infectologista do Hospital Niterói D’Or (RJ).

 

 

 

 

 

 

 



COMENTE!