assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Conforto na amamentação

Publicado em 29 de Sep de 2015 por Marília Alencar | Comente!

Confira algumas dicas de especialistas para garantir conforto total para mãe e o bebê na hora da amamentação



Texto Leonardo Lourenço / Foto: Shutterstock 

Amamentação

(Foto: Shutterstock)

Depois do parto, as dúvidas sobre amamentação são as mais comuns, especialmente entre as mães de primeira viagem. E é um erro achar que a mulher já nasce sabendo amamentar. Apesar de ser um ato natural, a amamentação requer prática e precisa ser aprendida – tanto pela mãe quanto pelo bebê. Por isso, o melhora fazer é ter calma e tranquilidade durante todo o processo, mesmo quando a criança estiver chorando de fome, isso é essencial para o sucesso da amamentação.

O leite materno é o melhor e mais completo alimento para o bebê, já que tem todos os nutrientes que ele precisa para se desenvolver com saúde. Até os seis meses de idade, é, até mesmo, o único alimento que ele precisa. Além de criar um vínculo especial e único entre mãe e filho, as vantagens da amamentação são inúmeras. “O leite materno tem a composição perfeita em termos de proteínas, gorduras e água que o bebê necessita, além de ter anticorpos que protegem o bebê de doenças alérgicas e infecções”, explica Anna Maria Chiesa, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e consultora da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, que desenvolve uma série de ações parao desenvolvimento da primeira infância. “A força que o bebê faz para sugar o peito é maior do que a feita para sugar a mamadeira, o que ajuda o desenvolvimento da musculatura orofaríngea no bebê, favorecendo a respiração. Sem contar que é econômico: não tem custo adicional nenhum para a família”, completa a especialista.

Adequação ambiental

Antes de começar o aleitamento, é importante procurar um local tranquilo, em que se sinta confortável e relaxada. É importante ressaltar que não é preciso lavar nem limpar o peito para dar de mamar. Para garantir uma boa mamada, o primeiro passo é encontrar a posição certa.

E isso depende de cada mulher. A dica é testar várias posições até achar a ideal. “A amamentação é um processo em que mãe e bebê devem estar confortavelmente posicionados. Para a mãe é melhor estar sentada com apoio nas costas. Nos primeiros 15 dias após o parto, a mulher pode ter algum desconforto para se sentar em função de cicatriz cirúrgica ou perineal, então ela podese sentir melhor para amamentar deitada de lado”, ensina Anna Maria. “O importante é buscar uma posição confortável em que a mãe possa olhar para o seu bebê, conversando com ele e acariciando-o.”

O encaixe certo da boca do bebê no mamilo também ajuda bastante na hora da amamentação e evita dores para a mãe. O correto é que ele a bocanhe não apenas omamilo, mas também boa parte da auréola, o que facilita a sucção do leite pela criança e também evita machucados na mãe.

Ritmo certo

Se o bebê não pegou corretamente o seio, interrompa a mamada colocando o dedo entre a gengiva da criança e o mamilo, e comece de novo. “Assegurar uma boa pega é fundamental para que o bebês e sinta confortável e não se ‘canse’ durante a amamentação. Se a pega não for adequada, ele poderá largar o peito antes da hora e ter fome em um intervalo menor”, diz a consultora. Uma boa mamada leva em torno de 20 minutos. Para ter certeza de que o bebês e alimentou corretamente, é importante se certificar de que a mama foi esvaziada, antes de oferecer a outra.

O indicado é que o bebê mame oito vezes por dia, com intervalos de até cinco horas. Quanto mais fome ele tiver, mais forte sugará o peito, favorecendo a produção de mais leite pela mãe. No início de cada mamada é importante, também, que a mulher tome água para facilitar a “descida” do leite. Quando a mama está muito cheia, é recomendado retirar manualmente um pouco do leite, para desinchar a auréola e facilitar uma boa pega. E não se esqueça de usar roupas confortáveis e práticas, como os sutiãs de abertura frontal também ajudam na hora da amamentação.

Revista VivaSaúde / Edição 148



COMENTE!