Viva Saúde
Edição 20 - Dezembro/2005
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Estresse demais, sexo de menos
Nem sempre há problemas orgânicos interferindo na vida sexual de homens e mulheres. Questões como a agitação do dia-a-dia e a ansiedade sem limites são mais potentes para literalmente colocar tudo abaixo. Vale dar uma pausa e resgatar esse desejo...

POR PATRICIA BOCCIA
FOTOS FERNANDO GARDINALI

O desejo feminino
Entre as mulheres, a principal queixa é a baixa libido. Pesquisa realizada pelo sexólogo Amaury Mendes Júnior, através do site www.amaurysexologo.med.br, envolvendo 280 pessoas, revelou que 40% da ala feminina sofre com a falta de vontade sexual. "Os fatores psicológicos são os principais culpados pelo quadro", acredita Mendes Júnior.

O histórico de vida, a estrutura familiar e a educação sexual que a moça recebeu ou simplesmente deixou de receber são pontos fundamentais para deflagrar a queda do desejo. "O tipo de relacionamento que ela tem com o seu parceiro também dá pistas sobre a origem do distúrbio", conta o médico da clínica Delphos. Se hoje e amanhã a mulher prova relações sexuais insatisfatórias é bem provável que se sinta com pouca vontade no momento das próximas tentativas.

A indústria farmacêutica vem investindo em 'poderosas armas' contra os problemas sexuais que angustiam homens e mulheres. A primeira pílula de combate à impotência, cujo princípio ativo é o sildenafil, foi lançada em 1998 e logo virou 'celebridade'. Na esteira do sucesso surgiu o vardenafil e, mais recentemente, a tadalafila, que também conquistou seu público com a promessa de uma ereção mais duradoura. Contra a ejaculação rápida não faltam opções.

Os médicos contam com os antidepressivos, administrados em doses baixas, como a fluoxetina, bupropiona e citalopran, que conseguem diminuir a ansiedade. Outra droga que promete bons resultados é a dapoxetina (deve ser aprovada em 2006). A substância parece ser mais seletiva ao proporcionar um melhor controle ejaculatório. "Temos bons medicamentos que facilitam a aderência do paciente às terapias", confirma Moacir Costa.


PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.