assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Tudo sobre o câncer na tireoide

Publicado em 27 de Aug de 2015 por Marília Alencar | Comente!

Afetando tantas partes diferentes do corpo, é possível que os sintomas dos problemas de tireoide se confundam com outras doenças, inclusive males emocionais, como a depressão. Saiba mais sobre o câncer na tireoide



Tireoide

(Foto: Shutterstock)

Cada um dos males da tireoide tem um tratamento específico. Comecemos então com a doença mais comum, o hipotireoidismo. Como nele há uma redução na quantidade de hormônios, a alternativa mais lógica é justamente repor o que está em falta no organismo. O T4 é o escolhido para compor os medicamentos, já que ele será convertido em T3 nas células em que for necessário e é produzido em maior quantidade. “Elenão traz efeitos colaterais, não engorda e até ajuda na manutenção do peso normal. Mas a indicação é que seja sempre tomado com água, em jejum pela manhã”, ensina Felipe Gaia. É muito raro que o quadro regrida, portanto o fármaco acaba sendo tomado pela vida inteira, mas isso já consegue sanar o problema.

Já o hipertireodismo é uma doença crônica, portanto o tratamento desse quadro também é vitalício. “Utilizamos drogas que bloqueiam a produção de hormônios e outras que barram os efeitos do excesso de hormônio, se não existirem contraindicações. A maioria dos casos, porém, acaba necessitando posteriormente de tratamento definitivo com cirurgia ou iodo radioativo, que induzem hipotireoidismo”, salienta o endocrinologista Giacaglia. Em algumas ocasiões, a tireoide é removida completamente, então é usada a mesma reposição hormonal do tratamento de hipotireoidismo para a queda de produção da glândula. Os medicamentos focados no efeito do hormônio ajudam a reduzir principalmente os sintomas mais comuns, como a arritmia cardíaca, o suor excessivo e a ansiedade.

Câncer de tireoide

No caso do câncer de tireoide, o tratamento é bem diferente do usual. Não há químio ou radioterapia; ele sempre consiste na retirada parcial ou completa da glândula, a chamada tireoidectomia. Depois que ela ocorre, há também o usode iodo radioativo, usado para atacar qualquer célula anormal que tenha restado. a cirurgia é bem delicada, pois a região tem diversos vasos sanguíneos. Como nos casos de hipertireoidismo, haverá uma queda na produção hormonal, se não houver a extinção total. E mais uma vez a reposição dos hormônios t4 é requisitada, e também por toda a vida. O que não se difere dostratamentos de outros cânceres é o acompanhamento para verificar se não vai haver reincidência de tumores. Normalmente ela ocorre em 30% dos casos; na maior parte, após 10 anos do primeiro caso.

Revista VivaSaúde/ Edição Especial Tireoide & Metabolismo



COMENTE!