assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Tabagismo pode estar associado a doenças psiquiátricas

Publicado em 26 de May de 2015 por Marília Alencar | Comente!

Combate ao fumo: Saiba qual é a relação do tabagismo com as doenças psiquiátricas



Tabagismo e Doenças Psiquiátricas

(Foto: Shutterstock)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo a principal causa de morte em todo o mundo. Os malefícios que o cigarro, seja ele tradicional ou eletrônico, traz ao corpo humano e ao meio ambiente são, muitas vezes, irreversíveis. O fumante tem predisposição a ter em algum momento da vida diversas doenças, como câncer (gengiva, traquéia, língua, pulmão, útero, próstata e pele), respiratórias (pulmão, bronquite crônica e enfisemas) e cardiovasculares (derrame cerebral, infarto agudo e tromboses venosas).

A fumaça do cigarro ainda contém toxinas que produzem irritação nos olhos, nariz e garganta, ocasionando alergia respiratória em fumantes e não-fumantes. Mas o que muitas pessoas não sabem é que o tabagismo pode estar associado a algumas doenças psquiátricas. “Existem estudos que relatam que a nicotina presente no cigarro tem o poder de alterar o funcionamento cerebral, especialmente dos jovens e contribuir para o aparecimento de transtornos psiquiátricos na vida adulta - como a depressão e a ansiedade”, com explica a Terapeuta e Coach, Erica Aidar. 

De acordo com a terapeuta, quanto mais cedo a pessoa começar a fumar, mais chances ela tem de se tornar depressiva e ansiosa no futuro. “Na adolescência, a nicotina passa ser um estimulante para o sistema nervoso central e como na adolescência os neurônios ainda estão se formando a exposição a esse tipo de substância pode deixar consequências graves”, explica Aidar. Muitos pacientes com transtornos psiquiátricos buscam no álcool e no cigarro uma forma de aliviar os sentimentos. Nesses casos, o tratamento com um terapeuta é indispensável para a recuperação total do paciente. “O tratamento ao tabagista é muito mais do que uma conversa ou um acompanhamento médico. Não basta informar o paciente sobre os malefícios desse vício é preciso trabalhar a dependência e desvendar os distúrbios psiquiátricos que estão escondidos”, esclarece ela.

É papel do profissional tratar os sintomas de ansiedade, depressão, abstinência, entre outros distúrbios que o paciente com alto nível de dependência esteja sofrendo. “É fundamental investigar todas as causas que levaram o indivíduo a dependência do tabagismo e tratar cada uma delas. Dessa forma, o paciente tem mais chances de conseguir dar a volta por cima e superar o vício”, conclui a terapeuta.



COMENTE!