Super Banner

Entenda tudo sobre arritmia cardíaca

Publicado em 22 de Nov de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

Medicamentos e exercícios físicos não monitorados podem causar o descompasso do coração. Saiba mais sobre essa doença



Texto: Stella Galvão/ Infigráfico: Helton Gomes/ Adaptação: Letícia Maciel

O nódulo sino-auricular (1) inicia um impulso elétrico no coração que percorre as aurículas
direita e esquerda (2), levando à sua contração. Quando esse impulso alcança o nódulo
auriculoventricular (3), é retardado ligeiramente. Em seguida, viaja para o feixe de His (4)
e o impulso estendese pelos ventrículos (5), fazendo com que se contraiam.
Infigráfico: Helton Gomes 

O que é?

É um descompasso do ritmo cardíaco, um “curto-circuito” no sistema elétrico do coração. O músculo possui uma espécie de bateria, uma estrutura capaz de gerar um estímulo elétrico espontaneamente, chamada de nó sinusal. Os impulsos elétricos saem dele e caminham por uma rede de nervos e células, promovendo a contração sincronizada dos átrios e ventrículos. Desacertos na origem desse estímulo ou em sua condução causam as arritmias, que podem ocorrer em qualquer idade e sexo.

Causas da crise 

As arritmias são classificadas como rápidas (taquicardias) ou lentas (bradicardias). Tudo depende do tipo de defeito na condução do estímulo elétrico. Se a frequência ficar muito baixa, o volume de sangue para o corpo também reduz — tontura e desmaio podem ser consequência de frequências cardíacas muito baixas ou muito rápidas. Quando o distúrbio do ritmo é muito acentuado, ocorre a fibrilação ventricular ou atrial, um descompasso extremo que pode levar à morte súbita. Pode ocorrer em pessoas jovens que desconhecem a existência de uma doença cardíaca e praticam exercícios físicos sem avaliação prévia.

Para contornar o problema

Na bradicardia deve-se avaliar se não é causada por uma situação transitória, por exemplo, o uso de alguns medicamentos como antiarrítmicos e betabloqueadores. Quando o problema é na formação ou na condução do impulso elétrico, a única forma de restaurar a frequência cardíaca adequada é colocar um marcapasso, dispositivo implantável que restabelece o ritmo. Na taquicardia as pessoas sentem palpitações, dor no peito e, às vezes, desmaiam. Nesses casos, são utilizados medicamentos que inibem os curtos-circuitos. Quem tem arritmias, precisa tomar muito cuidado com outras medicações. Informe essa condição ao médico para saber se há ou não contraindicação.

Há tratamento definitivo?

Sim, chama-se ablação por cateter. Uma vez identificado o local em que ocorre o impulso elétrico anormal, faz-se a cauterização. Até 20 anos atrás, a cirurgia era feita com o tórax aberto. Hoje, a intervenção é ocorre por meio de cateteres colocados nas veias da virilha e dirigidos até o interior do coração, localiza-se o foco e faz se a cauterização.

Previna-se de um ataque 

Arritmias podem ser benignas, mas também sinalizar uma situação grave em termos cardíacos. É fundamental que a pessoa, ao perceber seu coração batendo de forma diferente, procure um médico para avaliação. Na consulta, ele fará um exame clínico e pedirá um eletrocardiograma. Caso o exame indique alteração, é recomendável buscar a ajuda de um cardiologista.

 

Revista VivaSaúde Edição 74



COMENTE!