assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Entenda tudo sobre a Hepatite C

Publicado em 05 de Apr de 2013 por Ana Paula Ferreira | Comente!

Uma das formas de transmissão do vírus é através do compartilhamento de materiais cortantes, como alicates e agulhas. Entenda tudo sobre a Hepatite C



Texto: Jéssie Paganessi / Foto: Shutterstock / Adaptação: Ana Paula Ferreira

Uma das formas de transmissão da Hepatite C é através de alicates de unha.

Foto: Shutterstock

A Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 200 milhões de pessoas estão infectadas pelo vírus. Mas se tratada desde cedo, já há grande possibilidade de cura. Entenda tudo sobre a Hepatite C:

1. O que é?

 A hepatite C é a inflamação do fígado por um tipo de vírus da Família Flavivírus, que está presente no sangue das pessoas infectadas. No Brasil, os tipos mais comuns são as hepatites causadas pelos vírus A, B e C, mas também existem os vírus D e E. As principais diferenças entre elas estão nos agentes causadores e no modo de transmissão. A hepatite A é transmitida pelo contato entre indivíduos, por meio da água ou alimentos infectados e por via fecal-oral, enquanto a B é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), por exemplo.

2. Formas de contágio

Ela é transmitida através do compartilhamento de material cortante (seringas, agulhas, lâminas de barbear, depilar, alicates etc), tatuagem, transfusão de sangue, piercings, de mãe para filho durante a gravidez ou por sexo sem proteção.

3. Sintomas

 As hepatites, no geral, são silenciosas e não apresentam muitos sintomas ao longo do tempo de evolução. Isso faz que, quando os sinais são notados, a doença já esteja num estágio mais avançado. Dentre os indícios notam-se cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes esbranquiçadas.

4. Diagnóstico

Para se ter certeza da doença são realizados exames de sangue convencionais com investigação da função hepática, ou seja, do fígado. Dentre eles, as transaminases, coagulograma e hemograma, associados ao exame sorológico. Caso a sorologia seja reagente, é recomendada a coleta de exame de sangue mais específico. Para a hepatite C, é por biologia molecular. Cabe ressaltar que quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores as perspectivas de tratamento.

5. Prevenção

Diferente das hepatites A e B, não há vacina contra a hepatite C. É preciso consultar um médico regularmente e realizar os exames sorológicos de rotina que detectam todas as formas da doença. 

6. Tratamento 

O tratamento é bastante complexo e varia dependendo do resultado de exames específicos, como a biópsia hepática e exames de biologia molecular. A medicação utilizada nos pacientes infectados é uma associação entre administração oral e subcutânea. Já nos casos de hepatite A, D e E, como não há medicação, o tratamento é focado principalmente na dieta e no repouso. Apesar de grave, com a administração correta durante todo o tratamento as chances de cura variam entre 50% e 80% dos casos.


 



COMENTE!