assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Entenda tudo sobre a gordura visceral

Publicado em 06 de Aug de 2015 por Marília Alencar | Comente!

Barriga de chope! Já ouviu falar nela? Ou, pior, já a enxergou no espelho? Pois saiba que é a das mais perigosas, formada pela gordura que cresce entre as vísceras. Saiba tudo sobre ela



Texto Ivonete Lucirio / Foto: Shutterstock 

Barriga de chopp

(Foto: Shutterstock)

Estar acima do peso é chato, mina a autoestima, compromete a saúde. Mas as gorduras não são todas iguais: existe a ruim e a pior. A ruim é aquela que fica espalhada por toda a superfície do corpo, perto da pele, fazendo as pernas engrossarem, o quadril ganhar volume, a papada dar as caras e a própria barriga aumentar. É chamada de subcutânea. A pior fica no meio das vísceras. Por isso é chamada de gordura visceral, e se concentra principalmente na cavidade abdominal “Esse tipo de gordura oferece um perigo extra porque secreta substâncias inflamatórias associadas ao desenvolvimento de doenças crônicas”, explica a endocrinologista Claudia Chang, coordenadora e professora do curso de pós-graduação em Endocrinologia do Instituto Superior de Medicina (ISMD). Entre essas doenças, destacam-se o diabetes, o câncer, as enfermidades do coração e até o Alzheimer.

Essas substâncias inflamatórias fazem um estrago danado pelo corpo, a ponto de aumentar a chance de morrer. No ano passado, a Clínica Mayo (EUA) fez uma revisão de 11 estudos retrospectivos sobre o assunto, avaliando cerca de 650 participantes. A conclusão foi assustadora: paracada 5 cm de aumento na circunferência abdominal houve elevação de 7% na mortalidade masculina e 9% na feminina.

(Foto: Reprodução)

Não só o álcool

O chope, acusado de causar a protuberância indesejada, tem culpa no cartório, mas não pode o único acusado. “O álcool é bastante calórico. E, geralmente, estimula o consumo de alimentos também calóricos. Daí provocar o ganho de peso e levar a fama”, explica o endocrinologista Paulo Rosenbaum, do Hospital Israelita Albert Einstein (SP). Quando se consome um alimento, não dá para saber onde vai parar a gordura que ele traz para o corpo. Pode ser tanto para baixo da pele quanto para entre as vísceras. A questão é que a subcutânea é queimada mais facilmente para a produção de energia. Enquanto isso, a abdominal fica lá, engrossando a circunferência abdominal e provocando estragos. E não escolhe idade.“Atualmente tem-se visto até crianças obesas com esse tipo de acúmulo de gordura”, explica a médica Claudia. Quanto ao sexo, até por volta de 50 anos os homens são mais susceptíveis, mas as mulheres empatam quando atingem a menopausa. As medidas que evitam a formação da gordura visceral são as mesmas que contribuem para seu desaparecimento. A seguir, especialistas dão dicas do que fazer.


Revista VivaSaúde/ Edição 146



COMENTE!