assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Entenda a importância do dente do siso e amígdalas

Publicado em 12 de Dec de 2014 por Marília Alencar | Comente!

Está na hora de entender qual é a função de órgãos como as amígdalas e dente do siso. Eles são muito mais importantes do que se pensava para o funcionamento do nosso organismo



Texto Ivonete Lucirio/ Ilustração: Cecília Andrade/ Adaptação: Marília Alencar  

Siso e Amígdalas
(Ilustração: Cecília Andrade)

Amígdalas

Quem tem entre 40 e 50 anos provavelmente não conta mais com essa proteção. Era moda até a década de 50 extraí-las ao menor sinal de infecção. Afinal, por que ficar com aquele foco de bactérias na garganta se não servia para nada? Depois, descobriu-se que não é bem assim. “As amígdalas representam a primeira barreira de proteção contra a entrada de agentes infecciosos nas vias respiratórias”, explica a otorrinolaringologista Juliana Sato, da Universidade Federal de São Paulo. Não só barram os micro-organismos como também disparam o sistema imunológico para sua presença. A partir dos anos 50 começou-se a descobrir que as amígdalas fazem parte dos órgãos de defesa do corpo humano, sendo responsáveis pela produção de glóbulos brancos e anticorpos. “Hoje, a extração é indicada somente em alguns casos específicos, como quando o tamanho aumentado pode obstruir as vias aéreas, levando a sintomas como ronco noturno, obstrução nasal e dificuldade respiratória”, explica Juliana.

Primeira defesa: As amígdalas ajudam a proteger o organismo contra os invasores de duas formas. Primeiro, são uma barreira física. Segundo, mandam sinais para o restante do corpo avisando qual é o micro-organismo responsável pela invasão.

Dente do siso 

Em algumas pessoas, os terceiros molares, nome correto do dente do siso, nem nascem mais. Isso porque, muitas vezes, eles não encontram espaço na arcada dentária para despontar, ou porque ficam dentro do osso, mesmo. Como eles não aparecem, dá a impressão de não fazerem falta. O que acontece é que, durante a evolução, o ser humano mudou os hábitos alimentares. Hoje se come muito menos alimentos que precisem ser macerados com força. A alimentação é mais elaborada e menos dura, portanto os dentes do siso perderam sua maior função, que é de aumentar o poder de trituração dos alimentos. “Mas eles não podem ser considerados dispensáveis. Uso como dente de apoio, caso o cliente perca o dente da frente”, explica o odontologista Oscar Razuk, de São Paulo. O siso só deve ser extraído quando realmente trouxer problema para a pessoa, como inflamação, dor e comprometimento da arcada. O melhor período para a extração é entre os 17 e 21 anos, porque a raiz ainda não está totalmente formada e é mais mole.

Apoio dentário: Apesar de terem perdido boa parte de sua função com o uso de alimentos industrializados, os dentes do siso não podem ser totalmente dispensados. Eles servem de apoio, caso o paciente perca o dente vizinho.

Revista VivaSaúde / Edição 80



COMENTE!