assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Discussões éticas sobre placebo

Publicado em 27 de Oct de 2015 por Marília Alencar | Comente!

O placebo é uma substância inativa usada nas pesquisas clínicas para avaliar a ação de determinado fármaco. Para um grupo usa-se o placebo, para outro, o remédio. Entenda mais as discussões éticas sobre o assunto



Texto Leonardo Lourenço / Foto: Shutetrstock 

Placebo

(Foto: Shutetrstock)

A conclusão do estudo americano representa mudanças na utilização do placebo, seja ao definir os grupos de controle durante uma pesquisa clínica, seja ao prescrever a dosagem de drogas a indivíduos que apresentem as características genéticas descritas no estudo. Não se encerram as discussões éticas. A descoberta inclui um novo capítulo ao debate. Comprovada a relação entre as mutações nos genes e o efeito placebo, os pacientes de estudos clínicos podem ser submetidos a testes genéticos que possibilitem um panorama mais claro. Kathryn Hall, que liderou o grupo que fez a revisão de análises anteriores, sinaliza a possibilidade de inclusão de indivíduos que não recebam nenhum tipo de tratamento àqueles que ingerem o placebo e o medicamento. Tais discussões não chegaram ao fim, acredita o professor Benilton Carvalho, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. “O uso de placebo apresenta problemas éticos por requerer que o médico oculte do paciente o fato de o tratamento proposto envolver uma substância inócua”, afirma ele. Entre vários outros pontos, elas deverão contemplar o emprego de placebos apenas em certas ocasiões, como inexistência de tratamento-padrão ou resistência às terapias existentes, nas quais o médico acredite no aumento de benefícios. Nesse contexto, a suspensão imediata da terapia deve ser garantida, caso sua ineficiência seja demonstrada.

Revista VivaSaúde / Edição 149



COMENTE!