assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço

Publicado em 27 de Jul de 2017 por Kelly Miyazato | Comente!

Você sabia que nem sempre uma afta é inofensiva? Para quem faz uso de bebida alcoólica e tabaco, uma lesão bucal pode ser um alerta para o câncer de cabeça e pescoço. É preciso conhecer para se prevenir!



Nem tão divulgado como o câncer de mama ou de pulmão, o câncer de cabeça e pescoço tem maior incidência em homens acima de 50 anos. Vale lembrar que o problema é o diagnóstico tardio. “Na verdade, a evolução inicial tem poucos sintomas. Os sinais graves, dor, sangramento e emagrecimento, surgem somente nas fases mais avançadas”, explica Luiz Paulo Kowalshi, cirurgião oncológico e diretor do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do A. C. Camargo (SP).

 

  • Saiba onde se manifesta o câncer de cabeça e pescoço

Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço

Fique atento!

  • As causas desse tipo de câncer estão associadas a tabaco, álcool e HPV.
  • É comum que o paciente confunda o problema com aftas, sinusites ou faringites.
  • Dois a cada três casos são diagnosticados em estágio avançado.
  • Os pacientes devem ser acompanhados por até cinco anos depois de tratar.

Sintomas

Se tiver um desses sintomas por mais de três semanas procure um especialista para descartar o diagnóstico da patologia:

  • Feridas na língua
  • Manchas na boca
  • Dor na garganta
  • Rouquidão persistente
  • Dor ao engolir
  • Úlceras na boca
  • Nódulo no pescoço
  • Nariz entupido de um lado
  • Sangramento

Qual profissional procurar?

Se o problema surgir na boca, consulte um otorrinolaringologista ou um dentista. Para as doenças de tireoide e paratireoide, veja um endocrinologista. Confirmado o diagnóstico, o cirurgião de cabeça e pescoço é seu médico.

Como se dá o tratamento

Lesões iniciais
- Cirurgia ou radioterapia.

Câncer avançado
- Cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou tratamentos istêmico. Atente-se à dieta, aos efeitos colaterais e à ajudade fonoaudióloga ou fisioterapeuta para não ter a fala e a deglutição afetadas. Faça também um acompanhamento psicoterápico.


Revista VivaSaúde | Ed. 148

Assine já e garanta 6 meses grátis de outro título

 

 

 

 

 



COMENTE!