assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Dia Mundial de Conscientização da Doença de Parkinson

Publicado em 11 de Apr de 2017 por Kelly Miyazato | Comente!

No Dia Mundial de Conscientização da Doença de Parkinson, fique por dentro e saiba identificar os sintomas e como se dá o diagnóstico



 


Dia Mundial de Conscientização da Doença de Parkinson

  • O qué?

A doença de Parkinson é progressiva e causa a degeneração do sistema nervoso central (SNC) devido à morte prematura de neurônios. O organismo deixa de produzir dopamina (neurotransmissor), e também de levar mensagens de uma célula para outra. Não há causa aparente na maioria dos casos. Quanto mais jovem é o paciente, mais provável é a origem genética.

  • Sintomas

Os primeiros se manifestam por meio da vagarosidade dos movimentos ou no surgimento de tremores, especialmente durante o repouso. Eles progridem lentamente e costumam surgir de um lado do corpo e, alguns meses ou anos depois, tornam-se bilaterais. Ainda assim, sempre haverá um lado no qual serão mais acentuados. Outros sinais são depressão, distúrbios de equilíbrio, irritação e dores musculares.

 

  • Diagnóstico

Baseado em um exame clínico detalhado de imagem funcional ou molecular, o resultado é realizado por exclusão. Tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser solicitadas para que o médico possa constatar o Parkinson e investigar se há outros males cerebrais.

 

  • Prevenção

É possível identificar pessoas com genes de predisposição, mas ainda não há nenhum tratamento preventivo. Algumas pesquisas indicam que a exposição a produtos tóxicos agrícolas e até mesmo determinadas drogas são candidatas a originarem efeitos de precaução. Entretanto, nenhuma possui recomendação aprovada.

 

  • Tratamento

A cirúrgia é indicada só para os pacientes com problemas decorrentes do uso crônico de medicações. Após 5 a 10 anos, algumas complicações aparecem, por exemplo, a discinesia: movimentos irregulares e incontroláveis. Atividades físicas cooperam para suavizar suas consequências, apesar de a cura ainda não ser possível.

 

*Por Fernanda Emmereck | Colaborou Jhennifer Moises | Dr. Orando Barsottini, neurologista e pesquisador científico dos Projetos Em Parkinson do Instituto do Cérebro, do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEP) | Infográfico Helton Gomes | Shutterstock | Adaptação Kelly Miyazzato.

 

Revista VivaSaúde | Ed. 137

Assine já e garanta 6 meses grátis de outro título

 

 

 

 

 

 

 

 



COMENTE!