assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Descubra se seu sangue é saudável

Publicado em 06 de Dec de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

Ele é composto por três elementos, e o hemograma é capaz de fazer uma avaliação completa e denunciar a presença de disfunções hormonais, doenças infecciosas ou deficiências imunológicas, entre outros problemas. Descubra se seu sangue está saudável



Texto: André Bernardo/ Foto: Shutterstock/ Adaptação: Letícia Maciel 

O hemograma é capaz de fazer uma avaliação completa e denunciar a presença de
disfunções hormonais, doenças infecciosas ou deficiências imunológicas
Foto: Shutterstock 

Plaquetas (trombócitos)

Quantidade por mm³ de sangue: entre 150 mil e 450 mil
Tempo de vida: nove dias.
Função: atua na coagulação sanguínea. Sem as plaquetas, há risco de hemorragia.
Riscos à saúde: quando há uma queda significativa, dá-se o nome de trombocitopenia. Quando há um aumento, trombocitose. Queda brusca no número de plaquetas pode ser sinal de dengue hemorrágica. Aumento exagerado pode predispor à formação de coágulos e provocar um AVC. A dosagem é importante antes de uma cirurgia porque, quando há uma queda, o paciente pode sofrer sangramentos espontâneos.

Leucócitos (glóbulos brancos)

Quantidade por mm³ de sangue: entre 5 mil e 10 mil
Tempo de vida: dependendo do tipo, até sete dias. Há cinco leucócitos no total: neutrófilo, eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos.
Função: defende o organismo de agentes invasores. 
Riscos à saúde: se o número de leucócitos está acima do esperado, há risco de leucocitose, que pode sinalizar uma infecção, entre outras doenças. Uma concentração abaixo do ideal chama-se leucopenia. Esse quadro pode indicar uma lesão na medula óssea, provocada por uma infecção viral ou reação tóxica.

Hemácias (glóbulos vermelhos)

Quantidade por mm³ de sangue: cerca de 5 milhões
Tempo de vida: 120 dias
Função: Transporta oxigênio para todos os tecidos
Risco à saúde: Quando o número de hemácias está abaixo do normal, há risco de anemia. Geralmente provocada pela deficiência de ferro no organismo, prejudica o transporte de oxigênio. Quando os valores estão acima, há risco de policitemia. Ou seja: o sangue torna-se muito espesso, dificultando seu fluxo pelo corpo humano e favorecendo a formação de coágulos, que podem levar ao infarto ou ao acidente vascular cerebral (AVC).

Curiosidades sobre o sangue 

  • No corpo humano, circulam cerca de 5 litros de sangue. Para distribuir esse volume pelo organismo, o coração bate cerca de 70 vezes por minuto. A cada batida o coração bombeia 90 mililitros do líquido, que percorrem perto de 96.500 km de veias e artérias em um minuto.
  • O sangue flui a uma velocidade média de 2 km/h. Mas, ao sair do coração, na aorta, uma artéria que começa no coração e termina perto da região genital, pode atingir a velocidade de 108 km/h. Pode parecer muito, mas o espirro chega a atingir 150 km/h.

  • É vermelho pois contém hemoglobina, proteína que transporta oxigênio. Nas artérias é vermelho vivo e escuro nas veias.
  • Fabricado na medula óssea, produz 200 mililitros de sangue por minuto. O tipo O é o “doador universal”. E o tipo AB, “receptor universal”. O tipo O doa para todos, mas só recebe o mesmo tipo.
  • O termo hemograma completo é redundante. Quando o médico quer avaliar os três componentes, pede hemograma. Se quisesse saber como estão as hemácias, pediria um eritrograma. No caso dos leucócitos, leucograma. E, no das plaquetas, um plaquetograma.

Revista VivaSaúde Edição 127



COMENTE!