assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Coceira: veja as possíveis doenças e alergias que podem causar o incômodo

Publicado em 14 de Dec de 2016 por Kelly Miyazato | Comente!

Ácaros, poeira, picadas de insetos e pelos de animais são apenas alguns dos indícios do problema. Entenda mais sobre a coceira e as possíveis doenças e alergias que podem causar o incômodo



 

Coceira: veja as possíveis doenças e alergias que podem causar o incômodo

  • Tipos de dermatite

Entre as mais comuns estão as de contato (da pele com substâncias químicas), a seborreica (descamação e inflamação do escalpo ou da pele da cabeça) e a atópica (adquirida por herança genética). A doença é caracterizada pelo surgimento de manchas avermelhadas que descamam, coçam e podem ter evolução crônica. Entre as causas das dermatites estão reações a produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, contato com substâncias químicas e efeito de algum medicamento, entre outros. O paciente deve procurar um dermatologista para que o diagnóstico e o tratamento sejam orientados de maneira adequada. A caspa capilar, por exemplo, é classificada como dermatite seborreica. Esses quadros podem ser controlados com o uso de xampus à base de substâncias como zinco, cetoconazol ou ácido salicílico. Pessoas com dermatites devem evitar coçar a região afetada ou remover as crostas das feridas para não prolongar ou piorar o quadro.

  • Casos de escabiose 

Popularmente conhecida por sarna, a doença é provocada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, que parasita em humanos — a sarna canina é provocada por outro agente, que transmitido a humanos via mordida pode causar leves coceiras no local da lesão, mas sem maiores riscos. O ácaro é facilmente transmitido entre familiares, pelo uso comum de roupas de cama e roupas. Mas é pelo contato sexual que se configura o principal meio de disseminação do ácaro. A coceira provocada pela escabiose ocorre, geralmente, à noite, principalmente no abdome, na face interna dos braços, na área genital e nas coxas. Não costuma acometer o rosto, exceto em bebês. O tratamento, realizado com soluções ou loções dermatológicas, deve ser feito de 10 a 15 dias, terapia que também elimina os ovos que são depositados sob a pele. Existem medicamentos de aplicação oral, mas que não devem ser ingeridos sem a orientação médica, pois podem ser usados de modo errado e não solucionar o problema.

  • Pode ser urticária 

É caracterizada pelo surgimento repentino de placas avermelhadas e elevadas na pele. A urticária tem diversas causas, porém, alguns medicamentos são os principais desencadeadores. Em geral, as escoriações desaparecem no mesmo dia, caso contrário, podem ser sinal de alguma doença interna, como lúpus eritematoso. Há, ainda, situações em que a causa não é descoberta, ainda que o paciente realize diversos exames. O tratamento envolve o uso de medicamentos antialérgicos de vários tipos, indicados de acordo com cada caso.

  • Ou algo que comemos

Coceiras causadas por esse tipo de situação são mais raras. Adultos sofrem desse tipo de reação ao consumirem frutos do mar, como camarão, por exemplo. Esses casos podem ser caracterizados por irritações na pele semelhantes àquelas causadas pela urticária. Crianças que têm coceiras causadas por alergia alimentar geralmente são intolerantes a corantes como a tartrazina — presente em diversos produtos industrializados, entre eles balas e caramelos — ou as proteínas animais, como leite e carne de vaca. O tratamento visa a afastar a causa e utilizar medicamentos antialérgicos. Os remédios que possuem o corante em sua formulação deverão conter na bula uma advertência informando que o produto contém a substância e que seu consumo pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais, asma brônquica e urticária, em pessoas suscetíveis, conforme Resolução nº 572, de 2002, da Agência Nacional.

  • Uma reação à picada de inseto

O ataque de alguns tipos de insetos pode provocar o surgimento de bolinhas avermelhadas na pele e que, geralmente, coçam muito. Essas lesões ocorrem principalmente nos braços e pernas, áreas mais expostas do corpo. Ao brincar ao ar livre, as crianças costumam levar bactérias que causam infecções ao local da picada, aumentando a sensação da coceira. Adultos também podem apresentar o problema, sendo às vezes relacionado a outras doenças internas que devem ser pesquisadas. Existe a possibilidade da prevenção com vacinas, que são eficazes se iniciadas na idade correta e para pessoas com alergias às picadas de inseto.

  • Quando é algo mais grave 

Algumas viroses podem causar erupções na pele que ocasionam coceira, como a dengue ou a catapora, hepatites B e C e até infecção pelo HIV. Há, ainda, situações em que as coceiras não apresentam uma causa de fácil identificação. Esses casos devem ser acompanhados rigorosamente por médicos especialistas em dermatologia. Esse sintoma, em alguns casos, pode indicar a existência de doenças que atacam o organismo, mas que não dão outros sinais externos ou qualquer sensação de mal-estar. Esses pacientes jamais devem fazer a automedicação que pode ser causadora de diversas complicações graves.

 

*Por Ivan Alves | Foto Shutterstock | Adaptação Kelly Miyazzato.

 

Revista VivaSaúde | Edição 89

Assine já e garanta 6 meses grátis de outro título

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



COMENTE!