assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

5 formas de driblar a dor de cabeça crônica

Publicado em 10 de Oct de 2016 por Ana Carolina Gabriel | Comente!

Confira algumas dicas que vão ajudar pacientes que sofrem com dor de cabeça lidarem com o problema e ganharem qualidade de vida!



Texto Leonardo Valle | Ilustração Shutterstock | Edição web Ana Carolina Gabriel 

Veja formas de driblar a dor de cabeça crônica

Além de novas medicações que prometem chegar ao mercado em breve, tratamentos complementares e não invasivos melhoram a qualidade de vida de quem sofre com dor de cabeça crônica. Confira:

1. INVISTA NO BIOFEEDBACK

É uma técnica que proporciona maior controle sobre as reações do corpo às emoções. Para isso, utiliza aparelhos eletrônicos para medir os sinais emitidos pelo organismo (frequência cardíaca,temperatura, sudorese nas palmas das mãos, tensão muscular,pressão arterial e atividade cerebral) de acordo com o estado emocional em que a pessoa se encontra. “O paciente se torna consciente que essas reações também estão ligadas às crises de dor de cabeça. Com o treinamento em biofeedback desenvolve-se maior autoconhecimento e autocontrole, o que ajuda a prevenir as crises de cefaleia”, informa Rose Fukue, psicóloga e pesquisadora do Setor de Cefaleias da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).  Em média, são necessárias de 10 a 15 sessões de 45 minutos de biofeedback. “Não há contraindicações: o biofeedback pode ser usado em adultos, adolescentes e crianças”, complementa.


2. MAIS ACUPUNTURA
Um estudo publicado na revista Archives of Internal Medicine concluiu pela eficácia da acupuntura em casos de cefaleia crônica.“Em uma sessão para dor de cabeça crônica, os pontos estimulados dependemdo tipo de dor, sua localização (frontal,temporal ou parietal) e das características do paciente”, fala Dirceu Sales, presidente do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura (CMBA). A acupuntura melhora o aporte de neurotransmissores como serotonina e noradrenalina em áreas específicas do sistema nervoso central e minimiza asinflamações. “A acupuntura diminui atensão muscular na cabeça e no pescoço emelhora a vasodilatação”, diz Sales. Duas sessões semanais tratam o problema.


3. EFEITO DIETA REGRADA
Alguns pacientes com enxaqueca têm sua dor iniciada por alimentos. “Os mais comuns são aqueles que provocam reações quimicamente mediadas. Por exemplo: nitritos (cefaleia do cachorro-quente),glutamato monossódico (cefaleia do restaurante chinês),flavonoides fenólicos (vinho vermelho) e tiramina (presente em alimentos defumados, queijos e laticínios)”, lista NormaFleming, neurologista da Sociedade Brasileira de Estudos da Dor (SBED). O mesmo vale para o álcool, feniletilamina e aspartame. “Basicamente, todos agem na pressão arterial,podendo levar a crises”, acrescenta Ana Luisa Vilela, nutróloga de São Paulo (SP). Vale ainda evitar jejuns prolongados.

4. MENOS PRESSÃO COM IOGA
O yoga cria, por meio de suas posturas (asanas) e práticas de respiração (pranayamas), uma descompressão musculoesquelética e nervosa.“A descompressão advinda, por exemplo, de um alongamento da espinha, alivia tensões e cargas que favorecem a diminuição de quadros ligados às dores de cabeça em geral”, destaca Ana Luisa Matsubara, instrutora do Estudyo Iyengar Yoga São Paulo. Ao praticante iniciante, são indicadas duas aulas por semana com duração mínima de 1h30. “É recomendado que o que foi assimilado em sala de aula seja replicado diariamente por 20 a 30 minutos”, complementa. 


5. E A TOXINABOTULÍNICA?
Muita gente pensa que o popular botox atua apenas bloqueando a função motora do músculo– motivo pelo qual ele é usado para paralisar marquinhas de expressão. Entretanto, a substância é analgésica à medida que é captada pelos nervos de sensibilidade que levam a informação de dor para o sistema nervoso central (SNC).“Ela é carregada dentro do SNC e diminui o processamento da dor. É como se fosse o efeito de um aspirador de pó: o neurônio aspira a toxina e a carrega para dentro da casa dele, seja na medula, seja no corpo encefálico. É lá dentro que faz efeito analgésico”, entrega Ciampi.


Quer saber mais dicas de como ficar livre da dor de cabeça? Então, corra já para as bancas ou garanta a sua Revista VivaSaúde Ed. 160 pela Internet. 



COMENTE!