Super Banner

3 formas de tratar a tosse alérgica

Publicado em 01 de Jun de 2013 por Ana Paula Ferreira | Comente!

Identificar a causa é o primeiro passo para solucionar o incômodo. Saiba 3 formas de tratar a tosse alérgica



Texto: Romulo Osthues / Foto: Shutterstock / Adaptação: Ana Paula Ferreira

De acordo com o farmacêutico Sérgio Panizza, o uso de xaropes que contenham drogas

não é eficaz pois não trata a doença, e sim as consequencias dela. Foto: Shutterstock

Uma reação fisiológica contra agressores do meio ambiente ou um jeito de chamar a atenção? Identificar a causa é o primeiro passo para sanar o incômodo. Confira abaixo 3 formas de tratar a tosse alérgica:

De acordo com Fábio Castro, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai), a tosse pode ser o principal sintoma de uma série de doenças ou situações, como a rinossinusite alérgica ou infecciosa, a asma, o refluxo gastroesofágico, ou mesmo efeito de alguns medicamentos para hipertensão. Após diagnosticado o fator alergênico, podem ser recomendados medicamentos anti-histamínicos, antitussígenos, corticoides, entre outros, para o tratamento. Além disso, é importante identificar se são substâncias químicas, partículas ou micro-organismos os causadores da alergia e eliminá-los do ambiente do doente. Geralmente, o problema está relacionado a ácaros, fungos e animais domésticos, assim como a poluentes, ar frio ou seco e até a exercícios físicos. Fatores psicológicos como desencadeantes da tosse não devem ser ignorados.

Entre os homeopatas, acredita-se que o problema vai além dos agentes causais (poluentes, odores, ar-condicionado etc.). “Emocionalmente, o nome dela seria angústia, indignação”, sugere a médica Viviane Hubner. Segundo ela, até mesmo a raiva poderia se fantasiar como sendo uma tosse alérgica. “O que o ambiente está provocando? Como está incomodando?”, são perguntas feitas a seus pacientes. A tosse poderia ser uma forma de o paciente chamar a atenção dos pais ou dos responsáveis, daqueles que são seus “agressores”. Ela afirma: “a homeopatia não consegue eliminar os problemas, mas age como preventivo quando coloca o paciente em outra consciência. Não adianta deixá-lo numa redoma. Na primeira oportunidade, em contato com o mundo, tudo reaparece”. O melhor tratamento contra a tosse alérgica, nesse sentido, seria fortalecer a pessoa física e emocionalmente, não permitindo mais tal reação.

Água é sempre o melhor remédio”, pondera o farmacêutico Sérgio Panizza, que defende uma abordagem herbal para aliviar a tosse alérgica com menos riscos de efeitos colaterais. Entre as ervas que originam fitoterápicos indicados para o problema, estão o alcaçuz, o anis, a badiana, o eucalipto, o funcho, o guaco, a hortelã-pimenta, a polígala e o sabugueiro. De acordo com Panizza, xaropes mucolíticos, que tornam a secreção mais fluida, têm eficácia muito pequena. “Os broncodilatadores são mais eficientes para alguns casos de tosse, pois ajudam a abrir os brônquios para eliminar o muco acumulado”, diz. Ele critica o uso de xaropes que contenham drogas (normalmente derivadas de morfina, como a codeína) que agem no sistema nervoso central, inibindo o reflexo da tosse: “esses, de fato, funcionam, mas tratam a consequência e não a causa da tosse”. E orienta consultar um médico e um farmacêutico antes de começar a tomar quaisquer compostos, mesmo os de ervas.

 

Revista VivaSaúde edição 120

 



COMENTE!