assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Descubra o que o seus desenhos revelam sobre você

Publicado em 16 de Aug de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

Desenhos aleatórios são considerados, pelos psicólogos, uma linguagem do inconsciente capaz de revelar emoções e sentimentos nem sempre admitidos. Aprenda a interpretar o que seus rabiscos dizem sobre você



Texto: Cristina Almeida/ Ilustração: Helton Gomes/Adaptação:Letícia Maciel

Para os adultos, rabiscar é uma forma de regressão saudável e divertida, e funciona como uma
válvula de escape para combater o estresse
Ilustração: Helton Gomes

A maioria das pessoas, explica a psicóloga italiana Evi Crotti, especialista em comunicação não-verbal , estando ao telefone, numa reunião de trabalho, ou num momento de lazer, tende a escrever ou esboçar desenhos sobre algum papel disponível à sua frente. Essas manifestações gráficas são tão remotas quanto a história da humanidade, pois, a partir do momento em que o homem conseguiu estruturar suas funções perceptivas, imediatamente sentiu necessidade de deixar impressos os sinais sobre a realidade que vivia. Essa é a razão por que “desenhar” é um impulso que acompanha o homem ao longo de toda a sua vida. Rabiscar é uma prática que se inicia na infância e se apresenta por desenhos pouco inteligíveis, chamados garatujas. Para as crianças, essas imagens distorcidas e sem nexo se relacionam com desejos, necessidades e emoções e são entendidas como um pedido de ajuda ao adulto, a fim de que ele sinalize as melhores saídas para o grande desafio que é a vida. Para os adultos, rabiscar é uma espécie de regressão saudável e divertida , e funciona como uma válvula de escape que traz leveza às tensões. A psicóloga explica o que o seu desenho revela sobre você. Confira

Se você desenha... Reticulados (com aspecto de rede)

Exprime uma mente lógica, que classifica tudo e coloca os sentimentos sob a contínua crítica da razão.

...Quadrados ou cubos

Tem uma tendência a ser muito organizado. Concreto, lógico e um pouco perfeccionista, pode ser uma pessoa que enquadra tudo e, por isso, é perfeito para atividades que exijam resultados.

...Espirais

Quando as espirais começam do centro para a direção externa, significam extroversão e necessidade de buscar reciprocidade e confirmação nos outros para pode desenvolver em si as próprias potencialidades. Pode denotar dificuldade para enfrentar mudanças repentinas.

...Flores

Elas expressam uma natureza sentimental, romântica e pacífica. Por isso, cada escolha é dirigida pelo sentimento. Se a flor é colocada num segundo plano ou é desconsiderada (riscada), pode ser que a pessoa se sinta desmotivada e isso esteja influenciando sua eficiência.

...Estrelas

Exprime a necessidade inconsciente de evasão e de sonho. Quem enche a folha de estrelas, tem uma visão romântica da vida, é pouco concreto, mas, em compensação, tem muita fantasia. Pode, assim, desenvolver atividade onde seja necessário espírito de inovação, originalidade e interdependência.

...Flechas

As flechas exprimem a necessidade de alcançar um objetivo, vontade de afirmação de si mesmo, realização no trabalho por meio de determinação. Por trás de quem desenha flechas, há sempre um componente de agressividade.

...Casas

As casinhas exprimem um caráter tímido, de quem ama muito as coisas simples e procura, nos afetos, segurança e proteção. As viagens podem criar alguma ansiedade, pois quem desenha continuamente uma casa tem dificuldades para se separar do ambiente natural.

...Sol

O sol é um sinal que evidencia uma forte ligação à figura paterna. Se é desenhado com raios, indica uma influência positiva nessa experiência. Ao contrário, se faltam os raios, pode sinalizar questões mal resolvidas. Essas pessoas adoram atividades de movimento, enquanto os espaços reduzidos representam limites insuportáveis.

O próprio nome

Repetir mais de uma vez o próprio nome ou a assinatura exprime a necessidade de representar-se no papel, reforçando a própria segurança. é uma modalidade quase adolescente, por isso, nos adultos, pode ser um sinal de regressão.

Revista VivaSaúde Edição 65



COMENTE!