assine

Newsletter

Receba as novidades, cadastre-se

Como lidar com os sentimentos negativos

Publicado em 07 de Mar de 2013 por Leticia Maciel | Comente!

Nutrir sentimentos negativos podem comprometer a saúde física e a vida social, além de abrir portas para comportamentos disfuncionais. Saiba como lidar com os sentimentos e como aliviar o estresse que eles causam.



Texto:Diego Benine/ Foto:Danilo Tanaka/ Adaptação:Letícia Maciel

Se a pessoa se sente persistentemente triste, mesmo quando coisas boas acontecem, é um
sinal de alerta que os sentimentos negativos estão fora de controle. Foto: Danilo Tanaka.

As emoções negativas ou positivas estão presentes no cotidiano de praticamente todos os seres humanos. De acordo com a psiquiatra Elisa Brietzke, do departamento de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sentimentos como raiva, inveja, tristeza, solidão, vergonha e culpa, foram preservados ao longo da evolução humana. O problema é quando eles fogem do controle. “Ao surgirem de maneira intensa ou fora do contexto, são prejudiciais”, diz a médica.

 

O caminho dos sentimentos

Elisa explica que as emoções são regidas pelo conjunto de estruturas cerebrais que formam o sistema límbico. Desequilíbrios emocionais estão relacionados a disfunções nesta unidade. “As causas vão de fatores genéticos e ambientais (estresse) a eventos traumáticos e uso de álcool e drogas.” O excesso de pensar faz que o sentir perca em qualidade. “A pessoa deixa de compreender o que sente. Isso gera desequilíbrio e pode culminar em problemas de saúde.”

 

Alma doente, o corpo sente

Se você tem dificuldades para lidar com as emoções negativas, procure ajuda especializada. Além de elevar os riscos de depressão e transtornos psiquiátricos, elas podem estimular a produção de hormônios relacionados ao estresse e que têm sido considerados desencadeadores de problemas como:

  • Hipertensão
  • Dificuldade de concentração
  • Queda de cabelo
  • Gastrite
  • Úlcera
  • Distúrbios do sono (excesso ou déficit)
  • Problemas nos rins e na bexiga
  • Diarreia ou prisão de ventre
  • Dores musculares e articulares
  • Diminuição da libido
  • Disfunção erétil
  • Infecções repetidas (como gripes recorrentes, por exemplo.O excesso de cortisol debilita o sistema imunológico).

Pensamentos negativos têm ligação com fobia social,ansiedade
que faz com que a pessoa se afaste do meio social e familiar.
Foto: Danilo Tanaka.

Sinal de alerta quando os pensametnos negativos fogem do controle

A especialista ressalta que, caso não sejam controlados e tratados, os sentimentos negativos podem desencadear depressão, transtornos de ansiedade e até levar a pessoa a buscar comportamentos disfuncionais , tais como: consumir álcool e cigarro em excesso, fazer uso abusivo de internet ou comprar, jogar ou fazer sexo compulsivamente.

 

 

 

Aprenda como aliviar emoções ruins

Mas como saber qual é a hora de procurar ajuda?

"As emoções dançam conforme a música. Se acontecer uma coisa boa, a pessoa fica feliz, se ela estiver persistentemente triste, mesmo quando as coisas boas acontecem, isso é um sinal de alerta" completa a pisiquiatra Elisa. É preciso ficar atento se o sentimento está restrito a uma área da vida do indivíduo. Ainda tomando a tristeza como exemplo, é natural que ele se sinta triste devido a um acontecimento trágico, desde que mantenha a capacidade de sentir prazer em outras áreas. Se isso não acontecer, talvez seja a hora de procurar um médico.

 

Antídotos

Elisa diz que há duas formas de lidar com esse tipo de problema. "É possível estabalecer estratégias focadas no fato que esta gerando o sentimento ou medidas para aliviá-lo. Se a pessoa está em um emprego muito ruim, e isso a deixa irritada, ela pode mudar de emprego ou telefonar para um amigo para se sentir melhor." Atividades podem ser sugeridas como válvula de escape- o sentir deve ser trabalhado por meio da música, da pintura  e do contato com a natureza. Outra ferramenta que pode combater as emoções ruins é a espiritualidade. Segundo Ricardo Monezi, pesquisador do Instituto de Medicina Comportamental da Unifesp, ser espiritualizado não implica necessariamente em seguir uma religião, mas ter um conjunto de crenças, ler sobre elas e praticá-las. Meditação, ioga, trabalhos volutários, artes marciais podem ser opções. Segundo ele, isso ajuda no combate aos agentes estressores e traz sentimentos positivos, melhorando a qualidade de vida. 



COMENTE!