Viva Saúde
Edição 6 - Outubro/2004
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Febre temperatura máxima
Confira as respostas às suas maiores dúvidas sobre o problema infantil e baixe seu grau de preocupação

POR ALEXSANDRA BENTEMULLER
FOTO VITOR SALGADO

Um dos grandes motivos de angústia para os pais é perceber que o filho apresenta febre. Mais da metade dos pequenos encaminhados ao serviço de emergência pediátrica a tem como causa. O aumento de temperatura pode surgir, em um primeiro momento, como alarme, avisando que algo está errado no organismo e, em seguida, como defesa do corpo. Na maioria das vezes, o que provoca a febre infantil são as doenças infecciosas (como amigdalites, faringites e otites). Há também a possibilidade dela ser causada por infecções urinárias, intestinais ou doenças virais. A seguir respondemos as 10 dúvidas mais freqüentes sobre o tema. Confira!

1) Febre é doença?
Não. É um mecanismo de defesa do organismo e pode ser interpretada como um prenúncio de que algo está errado. "É o sinal de uma possível enfermidade que está presente ou a caminho. Os sintomas mais comuns são aumento das freqüências cardíaca e respiratória, palidez, mãos e pés frios, bochechas vermelhas, sensação inicial de frio e depois de calor, cansaço, dor de cabeça e muscular, perda de apetite, sede e transpiração", explica a pediatra infectologista Sandra de Oliveira Campos, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

2) A partir de que grau de febre devo me preocupar?
Os pais precisam ficar atentos quando ela ultrapassa 37,5ºC, medida nas axilas, e 37,8ºC, verificada na boca. Quadros de febre de 38ºC em bebês com menos de dois meses de idade e acima de 39,5ºC em crianças de qualquer idade necessitam de avaliação médica com maior urgência. Idem se durar mais de 48 horas ou apresentar resistência a antitérmicos.

A - ATÉ AQUI, TUDO BEM
A temperatura corpórea varia de uma pessoa para outra e até conforme a hora do dia: é mais alta no final da tarde e no início da noite e mais baixa durante a madrugada e a manhã. Na média, o normal é ficar abaixo ou por volta dos 37ºC.
B - SINAL DE EMERGÊNCIA
Se a temperatura atingir a marca de 39,5ºC, a interferência médica é mais do que necessária.

3) Como ela se origina?
A temperatura é regulada por um centro termorregulador, localizado no cérebro, mais precisamente no hipotálamo. Ele recebe informações de receptores térmicos (como mãos, braços, orelhas, nuca, rosto e pés), que agem como sensores, e decide se o corpo deve perder calor ou conservá-lo. A febre acontece quando substâncias denominadas pirógenos ('geradores de fogo') são liberadas pela presença de um fator agressor, tais como vírus, bactérias, neoplasias (tumores) ou substâncias produzidas pelo próprio organismo que originam um processo infeccioso. Sob o efeito do pirógeno ocorre o descontrole do centro regulador, que fixa uma temperatura muito maior como sendo a ideal. Daí são ativados estímulos, como fechamento dos poros de transpiração da pele e microcontrações musculares, para aumentar a temperatura.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.