Viva Saúde
Edição 50 - Julho/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Sete perguntas para um especialista
No inverno, é comum ouvirmos ruídos estranhos, que pioram à medida que aumentam os casos de resfriados e alergias respiratórias. São as crises de tosse que atacam e nem sempre são aliviadas com o uso de xaropes

POR STELLA GALVÃO

POR QUE TOSSIMOS?
O ato de tossir é um reflexo por estimulação das áreas tussígenas, que estão localizadas em terminações nervosas, principalmente da faringe, laringe, traquéia e brônquios, mas também no ouvido externo. Infecções virais ou bacterianas no aparelho respiratório (laringites, traqueítes, sinusites, pneumonias, tuberculose...) geram os processos inflamatórios que estimulam os receptores da tosse. Há também os estímulos químicos, principalmente o cigarro, e outros irritantes tóxicos existentes em produtos de limpeza, nos vapores químicos, na poluição e no ar seco. Os irritantes térmicos, como as mudanças bruscas de temperatura, também podem desencadear a tosse, dependendo sempre da sensibilidade da pessoa. Sem contar a presença de corpos estranhos nas vias aéreas que também costumam levar muita gente a tossir. Vale lembrar que a tosse nem sempre é ruim. Na verdade, pode ser um mecanismo de defesa contra qualquer problema que afete as vias respiratórias. Um exemplo é a tosse causada quando a pessoa sofre um engasgo - quando alguém ingere um líquido que deixa de ir para o esôfago e é desviado para o aparelho respiratório. Nesse caso, tossir ajuda a retirar o líquido do lugar onde não deveria estar.

FUMAR É O PRINCIPAL FATOR DE RISCO PARA A TOSSE CRÔNICA?
O fumo é sem dúvida a causa mais freqüente de tosse. Ela decorre, neste caso, da inalação, pelo fumante, dos componentes irritantes do cigarro, produzidos durante a combustão do tabaco. É claro que a sensibilidade a esses componentes será maior quanto maior for o tempo de consumo e o número de cigarros fumados. Três cigarros ao dia já é uma agressão à via respiratória, especialmente se a pessoa já apresenta problemas alérgicos. Não podemos esquecer que o fumante passivo, exposto à inalação da fumaça do cigarro, também costuma tossir por conta desse contato.

HÁ TIPOS DIFERENTES DE TOSSE?
Sim. A tosse seca, por exemplo, é causada principalmente por inflamação aguda da laringe, traquéia e brônquios e pela presença de tumor ou algum corpo estranho que possa pressionar a região, como quando a criança aspira, por exemplo, uma semente de feijão que se aloja no aparelho respiratório. Já a tosse úmida, também chamada de produtiva, é rica em secreção e decorre de um processo infeccioso do aparelho respiratório. É mais freqüentemente notada nos casos de bronquite crônica associada ao tabagismo.

COMO AGEM OS XAROPES E QUANDO RECORRER A ELES?
Estes medicamentos, conhecidos como antitussígenos, agem inibindo os receptores centrais e periféricos que geram a tosse. Somente o médico deve prescrevêlos. É um método paliativo utilizado pelo médico para aliviar o desconforto das crises, apenas enquanto ele investiga a verdadeira causa a ser tratada. É importante não se automedicar por várias razões. Sabe-se que alguns antitussígenos podem causar dependência e, além disso, só vão mascarar a verdadeira razão da tosse.

QUAL PROFISSIONAL DEVE SER CONSULTADO EM CASO DE CRISE?
Clínico-geral, alergista, pediatra, pneumologista... A escolha dependerá da causa por trás da tosse. Se a pessoa é alérgica, ela deve procurar o especialista nessa área. Se for fumante, o sintoma é investigado pelo pneumologista. Se ela for a um pronto socorro, com tosse persistente, será atendida por um clínico-geral que fará a avaliação de sua condição física e pedirá os primeiros exames para descartar uma virose ou uma sinusite. As crianças normalmente são avaliadas pelos pediatras que as acompanham. A tosse costuma ser um sintoma de doenças diferentes (como tuberculose, câncer ou insuficiência cardíaca) e, quando se torna crônica e incômoda, não pode ser desprezada e exige uma investigação ainda mais criteriosa.

TOSSE REPETIDA PODE AFETAR ALGUMA ESTRUTURA ORGÂNICA?
Quando a tosse ocorre em crises muito intensas pode, sim, aumentar a pressão torácica e dificultar o retorno do sangue, implicando na redução da irrigação cerebral. Outra conseqüência é a ocorrência de pneumotórax (ruptura de bolhas no pulmão), o que provoca falta de ar aguda e dor no peito. Também pode haver fratura de costelas e dor por esforço muscular. Em crianças, a tosse persistente pode causar bolinhas vermelhas ao redor dos olhos.

QUE MEDIDAS ADOTAR PARA PREVENIR OU ALIVIAR A TOSSE?
É preciso lembrar que nas estações de outono-inverno as crises de tosse são mais freqüentes, porque cresce a ocorrência de processos inflamatórios, de problemas respiratórios e da concentração de poluentes no ar. Também cai a umidade do ar, algo muito prejudicial às vias aéreas. Nesta época, é importante beber bastante água para favorecer a fluidificação e saída das secreções acumuladas com os processos inflamatórios. Outra medida é umidificar o quarto, colocando uma bacia de água ou uma toalha molhada para aumentar o conforto na hora de respirar. Em outros casos, os procedimentos para aliviar a tosse dependerão da causa do problema. O fumante, por exemplo, só irá parar de tossir se deixar de fumar.

FOTO: ARQUIVO PESSOAL Maria de Fátima Marcelos Fernandes, médica alergista e diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia

 


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.