Viva Saúde
Edição 48 - Junho/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  O poder do Zinco
O mineral está em uma série crescente de fórmulas que prometem suplementar a dieta, mas que benefícios ele traz para a sua saúde? Ainda pouco conhecido, o zinco, encontrado também em alimentos, atua em processos vitais no organismo

POR PRISCILA GORZONI

Como o mineral age
Antioxidante, ele está presente em quase todos os tecidos do corpo e por isso tem ações benéficas diversas. Pertence à categoria dos elementos químicos necessários para o crescimento, desenvolvimento e funcionamento adequado do organismo. Segundo a farmacêutica Sheila Ornellas Guimarães (SP), está envolvido em processos bioquímicos relacionados à imunidade, à formação óssea e à cicatrização. Diabéticos também se beneficiam. “Ele atua nas funções do pâncreas, órgão responsável pela liberação de insulina”, diz a geriatra Jacqueline Renault, da Clínica Terapêutica Harmonya (SP). O mineral ainda é eficiente no combate à degeneração macular, que causa a cegueira em idosos, graças à forte associação com a vitamina A, essencial para o bom funcionamento da retina.

Fonte da juventude
Como o selênio, manganês e outros minerais, o zinco, associado à vitamina C, é muito importante no combate aos radicais livres. “Estes são formados no metabolismo celular, a partir do oxigênio, ou entram no organismo vindos do meio exterior, acelerando o envelhecimento dos tecidos”, diz Paulo Olzon Monteiro da Silva, chefe da Disciplina de Clínica Médica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

RAZÕES PARA O DÉFICIT
A falta de zinco pode estar relacionada ao consumo exagerado de cereais não refinados e pão não fermentado. “Algumas substâncias químicas adicionadas aos alimentos industrializados reduzem a absorção de zinco, como os fosfatos e o EDTA”, esclarece a nutricionista Fernanda (SP). Também contribuem para o déficit, o uso de anticoncepcionais orais e corticosteróides, bem como a dificuldade de absorção, o que pode ocorrer em casos de alcoolismo, quando ele é eliminado pela urina ou devido a desordens digestivas.

EVITANDO EXCESSOS
Os especialistas concordam que a melhor maneira de ingerir vitaminas e minerais é por meio dos alimentos, até para evitar o risco de megadose de nutrientes. “É inviável passar a vida tomando cápsula. E o zinco, especificamente, pode tornar-se tóxico se consumido acima da ingestão diária recomendada, que é de 15 mg”, pondera a nutricionista Fabiana Casé do Vale (SP). Para alcançar essa dose, Fabiana recomenda: pão integral de manhã, carne no almoço, barra de cereal à tarde e uma porção de frango no jantar.

Quem deve consumir mais
Atletas, idosos, vegetarianos, portadores de doenças inflamatórias crônicas podem apresentar deficiência de zinco, por perda excessiva durante o exercício ou pelo consumo de carboidratos simples (refinados) ou ainda como seqüela do problema de saúde. Nestes casos, a suplementação é recomendada, mas sem exageros. “Altas doses de zinco podem reduzir a absorção do ferro, além de ter sido associadas a baixos níveis de cobre, diminuição da função imunológica e dos níveis de HDL (o bom colesterol)”, alerta a nutricionista Fernanda Pisciolaro (SP).

Conseqüências das deficiências
Elas foram descritas pela primeira vez em homens jovens do Irã e Egito. “São caracterizadas por pequena estatura, problemas na produção de esperma e anemia”, relata a nutricionista Fernanda. Na infância, a falta do mineral poderá interferir no crescimento e no desenvolvimento.

Alimentos no lugar de cápsulas
É possível encontrar o zinco em uma lista extensa e variada de alimentos: ostras, mariscos, mexilhão, arenque, fígado, fígado de porco, carne bovina, peixe, aves, gema de ovo, leite e derivados, iogurte, queijo, manteiga, manteiga de amendoim, cereais enriquecidos e de grão integral, arroz, cereal de arroz, farelo de trigo, farinha de aveia, pão de centeio, pão de trigo integral, trigo, cevada, feijões secos, ervilha, milho, nozes, levedo, alface, batata, beterraba, cenoura, couve, espinafre, cereja, laranja, pêra.

RICOS POR NATUREZA
CONCENTRAÇÃO EM PORÇÕES DE 100 GRAMAS

FOTOS: SÍMBOLO IMAGENS

 


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.