Viva Saúde
Edição 45 - Abril/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

Crônicas para deixar o seu dia-a-dia mais leve
  "O rato, a barata e o cisne: uma fábula sobre a felicidade"

POR SANDRA CASTELLO BRANCO

ILUSTRAÇÃO BUSSADORI

Encontrei certa vez, antes de uma missa de bodas de prata a que fui convidada, uma certa Maria das Dores. Ambas esperávamos, fora da igreja, a cerimônia começar. Acabamos conversando e ela então me revelou que havia completado cem anos. - Cem anos? Como conseguiu chegar a essa idade? - perguntei, sem conter a curiosidade.

- Como? - retorquiu rindo - Vivi muito, porque aprendi a ser feliz! Ali estava uma coisa importante. Quis saber se ela tinha algum tipo de "receita" para a felicidade.

- Ora, basta ser um cisne, em vez de ser rato ou barata! - afirmou com segurança.

- Explique, por favor - falei, surpreendida.

- Ora, a barata é a tal "barata tonta". Ela não pára e não sabe por onde ir. Gente ansiosa, que não se aquieta e vive num desespero.

- E o rato? - perguntei.

Ela riu: - É aquele "rato de loja", como se diz, que acha que para ser feliz tem que comprar alguma coisa. Se ilude pensando que a sua felicidade está numa certa casa ou automóvel. Já o cisne... Você deve conhecer a história do "patinho feio"...

- Sim. Ele queria ser um belo pato, mas não conseguia, porque na realidade não era pato, era um cisne - relembrei.

- Pois então. O cisne descobre que não deve ficar tentando seguir o caminho dos outros, não deve imitar os outros. Percebe que na realidade ele é único e precisa achar algo que verdadeiramente lhe dê alegria e realização. Compreendeu? Ser feliz é ser cisne, em vez de barata ou rato. Eu aprendi a ser feliz, sendo cisne.

- Mas e se alguém for um pouco barata, que saída pode ter?

- perguntei ainda.

- Ah, a barata precisa saber parar.

Assim, irá ver que se pode ser feliz aqui e agora, sem se agitar tanto. Assim como o rato precisa ver que geralmente a questão não é "ter", mas "estar": estar em paz, estar em boa companhia... Parti, claro, para uma consulta pessoal:

- E eu? Como poderia chegar a ser cisne?

- Procure o que realmente lhe agrada. Mas não vai feito "barata tonta", vai com cuidado, com calma... Se não der certo é porque aquilo não combina com você. E enquanto você procura o que quer, tente ao mesmo tempo ser feliz já no caminho, com aquilo que você tem e onde você está. Isso é o principal. Compreendeu?

- Acho que a senhora é bem sábia...

- Não. Sou apenas mineira e caipira...

- disse ela, e foi entrando na igreja, sozinha com sua bengala, porque a missa já ia começar e ela era convidada... de Deus.


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.