Viva Saúde
Edição 42 - Março/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

sete perguntas para um especialista
  PIERCING: arte no corpo que requer cuidados
Cada vez mais popular, esse adereço exige atenção na colocação e nos cuidados diários, pois os riscos para a saúde existem e não são nada bonitos...

POR VICTOR FERREIRA

FOTOS: FERNANDO GARDINALI
Piercing no alto da orelha pode deformar a cartilagem, o que exigirá uma cirurgia reparadora

1- QUAL A DIFERENÇA ENTRE OS MATERIAIS DE UM PIERCING?
Há vários tipos de materiais usados na fabricação desses adereços. A diferença está na aceitação de cada um deles pelo o organismo. Os mais recomendados são o aço cirúrgico e o ouro, pois não irritam o local nem tão pouco desencadeiam reações alérgicas.

Há também os piercings chamados de bijuteria, porém não são recomendados, por serem, na maioria das vezes, fabricados com material de qualidade duvidosa.

2- QUAIS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS A CADA TIPO DE PIERCING - DE LÍNGUA, UMBIGO, NARIZ?
São basicamente os mesmos e devem ser redobrados quando ele acaba de ser colocado. Em geral, é preciso ser rigoroso com a higienização da área e fazer uso de pomadas cicatrizantes e/ou antibióticos locais indicados por um especialista para evitar a contaminação por germes patogênicos. Outros cuidados importantes a se observar são: lavar as mãos com sabonete antiséptico antes de tocar o adereço;lavar a boca com anti-séptico bucal diluído em água após as refeições; limpar o piercing somente duas vezes por dia, na fase de cicatrização; não permitir que outras pessoas toquem em seu piercing sem lavar as mãos; evitar sauna, piscina, banho de mar, lagoa e excesso de sol; evitar roupas justas e sintéticas que fiquem em contato com o piercing, pois dificultam a respiração da pele (além do mais, atritos causados por roupas apertadas, pesadas ou movimentos excessivos podem causar quelóides. Esta irritação forma um vermelho escuro ao redor do piercing, podendo levar à rejeição). Saiba ainda que estresse, má alimentação, uso de drogas e álcool ou doença podem prolongar o período de cicatrização. E procure não ter contato com fluidos de outras pessoas, como suor, saliva, secreções, sangue, etc.

Deixe longe de seu piercing: cosméticos, bronzeadores, perfumes, roupas de cama suja, aparelhos de telefone ou qualquer objeto de uso público. As infecções são causadas pelo contato com bactérias e fungos que podem estar em qualquer lugar.

3- QUAIS OS RISCOS ASSOCIADOS A ELE?

FOTOS: FERNANDO GARDINALI
Não importa o local, a higienização afasta o risco de contaminação e acelera o processo de cicatrização

O risco de se contrair uma infecção por más condições de higiene e objetos utilizados no local é muito grande. A jóia pode ainda causar alergia em algumas pessoas, provocar uma lesão em estruturas como veias ou artérias ou ainda, levando às últimas conseqüências, uma necrose (morte do tecido ou de parte dele) na região acometida. Existem também os riscos específicos de cada tipo de piercing. No alto da orelha, por exemplo, por haver baixa vascularização, pode levar à deformação da cartilagem, exigindo cirurgia plástica reparadora. A haste interna do adereço, colocado no nariz, pode machucar o septo nasal (parte que divide o nariz em duas fossas). No umbigo, o corpo estranho pode provocar a formação de cistos, levando à necessidade de cirurgia. Já na língua há risco de desgaste da parte interna dos dentes da frente da arcada inferior e de perda óssea capaz de abalar a estrutura dental.

4- COMO SABER SE O LOCAL JÁ CICATRIZOU?
Quando não houver mais sangramentos e secreções e o piercing puder ser retirado e colocado sem esforços é sinal de que o local já está cicatrizado. No umbigo, o tempo médio de cicatrização é de seis meses, podendo chegar a um ano, quando há problemas, como atrito entre o adereço e as roupas. Se a região apresentar vermelhidão, coceira e/ou secreção purulenta deve-se procurar um especialista.

Geralmente, diante de alguma complicação, surge uma carne esponjosa chamada granuloma progênico e faz-se necessário a retirada do objeto.

5- QUAIS OS PERIGOS ENVOLVIDOS NA OUSADIA DE SE COLOCAR UM PIERCING GENITAL?
A localização do piercing genital pode ser, na mulher, no clitóris ou nos lábios internos e externos da vulva e, nos homens, no pênis ou no escroto. O risco nesses casos é grande, pois, após a colocação haverá ali um canal estreito que pode acumular secreções sexuais e propiciar infecções. Há ainda a possibilidade de deformação da pele no local. Algumas pessoas afirmam que ele aumenta o prazer sexual, porém representa riscos tanto para o usuário quanto para o parceiro, podendo causar feridas e aumentando as chances de se contrair uma doença sexualmente transmissível.

6- O PIERCING PODE SER RETIRADO?
Após a cicatrização, este adereço pode ser retirado, desde que saia com facilidade e não haja sangramentos, secreções ou qualquer indício de infecção na região. O problema é que o buraco pode não fechar ou demorar um bom tempo para isso. Se houver qualquer indício de infecção, um especialista deve ser procurado para fazer a retirada segura da jóia, recorrendo a medicamentos, por exemplo, para que não haja complicações maiores.

7- O QUE OBSERVAR NO ESTABELECIMENTO ANTES DE DECIDIR COLOCAR UM DESSES ADEREÇOS?
Deve-se exigir a utilização de material descartável, como seringas e agulhas, não utilizar medicação já aberta e se certificar de que a jóia passe por um processo de esterilização. Além disso, o ambiente deve ser o mais higiênico possível e o profissional altamente capacitado, já que a colocação de um piercing pode ser considerada um ato cirúrgico. Alguns especialistas recomendam que a pessoa leve o seu médico até o local, antes de contratar o serviço.

Artur Duarte, dermatologista, professor titular da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e membro do Conselho Federal de Dermatologia da Sociedade Brasileira de Dermatologia


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.