Viva Saúde
Edição 40 - Fevereiro/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

sete perguntas para um especialista
  ENCHENTES:um alerta para se proteger
Além da leptospirose, outras doenças também estão associadas ao período de chuvas e inundações. O que muita gente não imagina é que o risco de contaminação existe até mesmo para quem está longe do problema

1- QUAL A RELAÇÃO DAS ENCHENTES COM A NOSSA SAÚDE?
As inundações podem representar um grande risco à saúde. A água das enchentes, que estão sujas, coloca vários agentes infecciosos em contato com o homem. Há diferentes tipos de doenças causadas por uma variedade de bactérias, vírus, protozoários e parasitas, agentes que são carregados pelas águas e propiciam o surgimento de vários males.

2- QUE DOENÇAS ESTÃO RELACIONADAS AO PERÍODO DE CHUVAS?
Há várias doenças que têm sua ocorrência aumentada por ocasião das chuvas e enchentes. Entre elas a febre tifóide, a hepatite A, salmoneloses, amebíase, giardíase, verminoses e a mais grave pela sua alta mortalidade, a leptospirose. Atualmente, a porcentagem de óbitos por conseqüência desta doença, que é causada pelo contato com a urina de ratos, ocorre em 15% a 20% dos casos. Em outros países, há também a incidência de cólera no período das enchentes.

As águas facilitam o contato dos seres humanos com os agentes infecciosos e causadores destas doenças. A transmissão destas doenças ocorre pelo contato do líquido com a mucosa oral ou com o aparelho digestivo, ao se ingerir a água ou alimentos contaminados, propositalmente ou não. Ocorre também pela pele, no caso da leptospirose.

Por causar insuficiência renal, inflamação no coração e no fígado, esta doença representa, sem dúvida, maior gravidade.

3- TODAS AS PESSOAS ESTÃO PROPÍCIAS À CONTAMINAÇÃO?
De forma alguma. Alguns fatores como resistências individuais do organismo, o tempo de contato do homem com a água e a proximidade com os focos de infecção (esgotos e água contaminada) aumentam ou diminuem o risco das doenças.

4 - É POSSÍVEL SE CONTAMINAR MESMO NÃO RESIDINDO NAS REGIÕES AFETADAS PELAS INUNDAÇÕES? Sim. Este contágio pode se dar por meio da água, pela contaminação das fontes de água potável ou de alimentos.

A ingestão desses alimentos predispõe o organismo a uma variedade de doenças, já citadasanteriormente, e que afetam principalmente o aparelho digestivo. É importante ressaltar que não há, por exemplo, o risco de se contaminar pelo simples contato direto com pessoas que residem nas regiões inundadas.

5- SE O CONTATO COM A ÁGUA CONTAMINADA FOR INEVITÁVEL, O QUE DEVEMOS FAZER?
Em casos de alagamento de vias públicas, onde há contato direto com esta água (por exemplo, quando o motorista é obrigado a abandonar o carro), fica-se muito suscetível à leptospirose. Como forma de se proteger da doença, é indicada a vacina de penicilina benzatina. Aplicada no músculo, ela é uma boa recomendação, porque a bactéria causadora da doença é muito sensível a ela.

6- COMO ELAS SE MANIFESTAM?
As doenças têm sintomas diferentes, desta forma, as causadas pelas bactérias (salmonelose e shiguelose) e protozoários (giardíase ou amebíase) são caracterizadas por diarréia, febre e eventualmente vômitos, mal-estar geral e cansaço físico, além da desidratação. Na hepatite A, observa-se anorexia, fezes claras, urina escura, olhos amarelados, intestino preso. Já a leptospirose é caracterizada por olhos amarelados, febre alta, insuficiência renal, além de dores musculares intensas, principalmente na "barriga" das pernas.

A cólera, que felizmente não existe no Brasil, provoca diarréia intensa e requer tratamento intensivo por ser extremamente grave.

7- HÁ COMO IDENTIFICAR OS ALIMENTOS CONTAMINADOS?
Em pequenos municípios, tornase mais fácil para o consumidor detectar estes alimentos, pois a população automaticamente já evita esse contato, por estar bem próxima das inundações.

Já nas grandes cidades, como as capitais, isso é extremamente difícil, em função da diversidade de origens dos alimentos e da dificuldade de fiscalização.

Nestes casos, isto ocorre devido ao grande volume a ser vistoriado. Somente através de um controle rigoroso é que se obtém mais garantias quanto à qualidade da água e alimentos.


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.