Viva Saúde
Edição 37 - Janeiro/2007
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  coração no caminho do cateterismo
Provavelmente você já ouviu falar no procedimento, mas nem imagina a que se destina. Saiba como é feito e para o que exatamente ele serve

POR LILIAN HIRATA

1. Para que o cateter não erre o trajeto, ele segue o fio guia que está em seu interior para chegar ao local correto, sem causar nenhum problema.
2. Pela artéria femoral direita (o local mais comum de entrada), o fio guia é introduzido juntamente com o cateter até os grandes vasos e câmaras cardíacas.
3. Em seguida, o especialista injeta o contraste para que toda a região da artéria possa ser vista através dos raios X.
4. O cateterismo permite uma boa visualização da artéria e do lado do órgão no qual está inserido
5. No final do procedimento o cateter é retirado junto com o fio guia.

O uso do cateterismo na medicina visa dois fins: terapêutico e diagnóstico. Como exame, permite ao médico verificar a saúde dos vasos sangüíneos através do cateter (um cabo oco que permite sua visualização através de raios X e que leva dentro de si o fio guia, que é fino e flexível), que é introduzido nas artérias, percorrendo seu interior até chegar aos grandes vasos e câmaras do coração. Por meio dele dá para identificar alterações cardíacas fun - damentais, como lesões nas artérias, placas de gordura ou cálcio e fechar uma possível comunicação entre as cavidades do coração — nos embriões essa comunicação do lado direito com o esquerdo do órgão é comum, mas após o nascimento precisa ser interrompida. Cerca de 27% das pessoas têm essa anomalia.

O procedimento pode substituir cirurgias complexas como casos de embolização vascular (técnica que corrige malformação vascular, sangramentos, aneurismas, etc) e auxiliar na colocação de stents (dispositivos de aço, um tipo de rede extensora, colocados na artéria para evitar que fique entupida e que a mantém aberta para a passagem do sangue). O cateterismo também precede a angioplastia, pois é um dos exames mais eficazes na identificação de artérias entupidas, evitando eventos cardiovasculares.

PERCURSO DO CATETER
A pessoa que vai se submeter ao cateterismo recebe anestesia local e é sedada com medicamentos. Segundo Rossi Murilo da Silva, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, do Rio de Janeiro, são três as portas de entrada para o cateter: próximo ao cotovelo, nos pulsos e na virilha (onde se localiza a artéria femoral direita). O procedimento é monitorado pelo eletrocardiograma que mostra a atividade elétrica do coração. Algumas vezes a entrada do cateter no coração pode provocar, por exemplo, arritmias (alterações do batimento cardíaco). Neste caso, o médico deve retirar o cateter e introduzi-lo novamente, pois, provavelmente atingiu uma região que não deveria ter sido tocada.

PONTOS POSITIVOS
❑ é minimamente invasivo se comparado a cirurgias cardíacas
❑ é o melhor exame para diagnosticar lesões na região
❑ permite localizar a lesão, visualizar seu tamanho e suas características
❑ chega a locais das artérias de difícil acesso

PONTOS NEGATIVOS
❑ emite radiação (mais do que as radiografias comuns)
❑ o fio que serve de guia pode ‘cutucar’ a lesão e complicar o procedimento
❑ custo alto para sua realização
❑ algumas pessoas têm reação alérgica às substâncias (chamadas de contraste radiológico) injetadas através do cateter para que permitam uma melhor visualização do coração (técnica chamada de angiocardiografia)
❑ as substâncias radiológicas apresentam um certo grau de toxicidade


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.