Viva Saúde
Edição 27 - Julho/2006
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Pílulas eficientes para sua saúde

POR DANIELA TALAMONI E LILIAN HIRATA

COMO O ORGANISMO REAGE AO FRIO?

FOTOS: SÍMBOLO IMAGENS E DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O aumento da produção dos hormônios da tireóide ajuda a elevar a temperatura corporal

O corpo trabalha duro para manter a temperatura central normal, que varia entre 35,8 e 36,5 graus. O regulador de temperatura em nosso corpo é o hipotálamo, localizado no cérebro. Segundo Jacqueline Luz, professora de fisiologia da Escola Paulista de Medicina, quando o ambiente está frio ao ponto de provocar a baixa dessa temperatura, o hipotálamo busca aumentar o calor através de:

Tiritação: nada mais é do que calafrios involuntários, produzidos por contração muscular.
Vasoconstrição cutânea: os vasos na pele se contraem para diminuir a passagem do fluxo sangüíneo no local, evitando assim seu resfriamento.
Piloereção: é o efeito que deixa os pêlos “arrepiados” para a pele não perder calor.
Aumento da produção dos hormônios da tireóide: eles ajudam a elevar a temperatura corporal.

Descoberto o gene da gordura

Um estudo conduzido pelo presidente da Boston’s Joslin Diabetes Center (EUA), Ronald Kahn, identificou os genes responsáveis pelo armazenamento de gordura em certas partes do corpo, como na barriga. Ele ressalva que as pessoas com excesso de gordura localizada, principalmente na região interabdominal, têm maior probabilidade de desenvolver diabetes, porque essa gordura cria uma resistência à insulina, fundamental no controle da glicose no sangue. O que se espera é que daqui a alguns anos, os médicos possam alertar as pessoas com essa propensão.

FONTE: DISCOVERY MAGAZINE


RESULTADO DA ENQUETE DE JUNHO

VOCÊ JÁ PASSOU MAL DIANTE DE UMA FORTE EMOÇÃO?

31,3%Não. Já tenho tantos motivos para ficar estressado que assistir a um jogo é uma forma de relaxar. Sinto um bem-estar depois de cada partida. Só me altero em final de campeonato ou Copa do Mundo.

29,9% De vez em quando. Mas, para que eu me envolva de verdade e me emocione, seja durante um jogo de futebol, formatura ou casamento, eu preciso estar mais sensível naquele momento.

2,4% Sim. Isso sempre acontece. Meu coração bate mais forte. As pupilas dilatam, começo a tremer e a suar. Costumo chorar e ficar rouco em situações tensas.

16,4% Não. Costumo conter bastante as minhas emoções. Dificilmente algo me deixa estressado. Mantenho a calma até mesmo no caos do trânsito.

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.