Viva Saúde
Edição 24 - Abril/2006
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Tecnologia que ajuda a salvar
Máquinas poderosas que permitem visualizar o interior do corpo humano com nitidez e segurança. Técnicas modernas que revelam os mínimos detalhes de uma célula. Conheça os exames de última geração e saiba até que ponto eles contribuem para o diagnóstico precoce e o tratamento de inúmeras doenças

POR PATRÍCIA BOCCIA

Desde a invenção em 1818 do estetoscópio (aparelho que amplia os sons corporais) até a recente cápsula endoscópica com microcâmera, que ao ser engolida pelo paciente capta 50 mil imagens da boca ao intestino, substituindo a tradicional endoscopia, os avanços tecnológicos têm provocado uma revolução na área de medicina diagnóstica.

Graças à ajuda deles, os exames estão cada vez mais precisos, seguros e menos invasivos. E a descoberta da doença, por sua vez, tende a ser mais rápida e certeira. Em uma área em que um pequeno erro pode custar uma vida, é fácil entender por que essas infinitas possibilidades de diagnóstico deslumbram os cientistas, médicos e pacientes. Mas será que toda essa parafernália de última geração substitui o bom e velho exame clínico?

"Os sofisticados aparelhos devem ser apenas uma ferramenta (valiosa, sem dúvida!) nas mãos dos especialistas", pondera o oncologista Arthur Katz, do Centro Paulista de Oncologia, de São Paulo. O médico também alerta para o fato de que os mais modernos exames ajudam muito a entender uma doença já instalada, como um tumor. No entanto, eles jamais devem substituir ou mesmo reduzir a importância das consultas de rotina aos médicos (pediatras, ginecologistas, urologistas, geriatras...) nas várias fases da vida e de acordo com os sintomas e as necessidades do momento.

FOTOS : SIEMENS

Afinal, por mais poderoso que possa ser um exame, ele deve ter um papel definido: confirmar o diagnóstico clínico. Sendo assim, ao indicá-lo o médico já deve saber exatamente o que procura. Não é à toa que os especialistas dizem para sempre desconfiar do profissional da saúde que pede vários exames por imagem ou de última geração e que deixa a desejar na consulta.

Além disso, há outras razões para se ter cautela na hora de fazer uso de tanta tecnologia. A primeira é de ordem econômica. A indicação inadequada ou exagerada de exames irá onerar os convênios médicos e instituições de saúde, que acabam repassando os custos aos usuários. A segunda tem a ver com bom senso: não é porque uma máquina moderna conseguiu descobrir a doença do seu amigo que você precisa passar por ela. Só mesmo um médico de confiança poderá dizer se o mesmo recurso é necessário para avaliar o seu caso.

FOTOS : SIEMENS

Para que você conheça alguns dos novíssimos exames diagnósticos à disposição, Viva Saúde conversou com especialistas e vasculhou os grandes laboratórios e centros de saúde do país. Confira como esses aparelhos e tecnologia de última geração funcionam, o que detectam e para que tipo de males são indicados.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.