Viva Saúde
Edição 22 - Fevereiro/2006
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Ácido acetilsalicílico: o comprimido 1.001 utilidades
Inicialmente usado como analgésico, antiinflamatório e antitérmico, a droga mais popular do mundo passou a ser utilizada no combate a doenças do coração. E não é só

1. O que é ácido acetilsalicílico (AAS)? É um analgésico, antiinflamatório e antitérmico, cujo nome comercial mais conhecido é Aspirina. Sua origem está nas folhas e casca de salgueiro. No organismo humano, interfere na produção do hormônio prostaglandina, responsável pela dor e inflamação. A droga promove ainda a vasodilatação (aumenta o diâmetro dos vasos sangüíneos) e a sudorese (transpiração), abaixando a temperatura corporal. Também é um antiagregante plaquetário por ser inibidor da ciclooxigenase (enzima responsável pelo agrupamento das plaquetas, que promovem a coagulação do sangue). Traduzindo: sua utilização faz o sangue ficar mais 'fino', impedindo a produção de coágulos.

O uso do ácido acetilsalicílico no combate a doenças vem desde o ano 3000 a.C., conforme registros bíblicos, e também foi relatado há cerca de 2.400 anos pelo grego Hipócrates, o pai da medicina moderna. A substância foi sintetizada em laboratório, pela primeira vez, em 1860. Dezessete anos depois, o produto já era campeão de vendas em Londres. Em 1899, o laboratório farmacêutico alemão Bayer conseguiu a patente e em 1900 lançou o remédio em forma de tabletes, uma inovação para a época.

Até então era vendido na forma de pó e pouco solúvel em água. Seu primeiro uso foi no alívio da dor. Em 1906, o comprimido já era conhecido como "droga maravilha". É, ainda hoje, o remédio mais consumido no mundo (só nos Estados Unidos, cerca de 80 milhões de AAS por dia).

2. Há várias opções de AAS nas farmácias? Sim, são várias as apresentações do ácido acetilsalicílico. Algumas são associadas a outras drogas ou substâncias (cafeína, vitamina C). Outras possuem revestimentos de cápsulas que diminuem a agressão ao sistema digestivo - um dos principais efeitos colaterais do comprimido campeão de vendas.

3. Ele pode ser usado diariamente? Apenas com indicação médica, em pacientes com algum problema cardiovascular ou fatores de risco relevantes. Em pacientes com histórico de doenças cardíacas e vasculares em que uma eventual trombose pode agravar a situação, a ingestão diária reduz o risco de formação de coágulos no sangue, prevenindo infarto e acidente vascular cerebral (derrame). A droga também é indicada para tratar artrite (inflamação das articulações) e enxaqueca. É importante ressaltar que o uso freqüente de ácido acetilsalicílico não é indicado para prevenção de doenças em pessoas saudáveis.

4. Quais os possíveis efeitos colaterais? Os problemas gastrointestinais são os mais freqüentes. Mas podem ocorrer azia, náusea, vômito, sangramento, úlcera e até perfuração no aparelho digestivo. Associado ao consumo de álcool, o comprimido pode provocar úlceras. Há ainda relatos de zumbido nos ouvidos e diminuição da audição, alergias cutâneas e respiratórias e sangramento pulmonar. Efeitos tóxicos graves do medicamento são notados quando sua concentração no sangue é superior a 400 miligramas por litro.

5. Em que situações é contra-indicado? Em casos de dengue e hemofilia, por interferir na coagulação do sangue e provocar hemorragias, e de varicela (a catapora). Uma dengue simples pode se tornar hemorrágica com o uso de AAS. Já pacientes com varicela podem desenvolver a síndrome de Reye, doença de causa desconhecida, com sintomas de gripe e que afeta todos os órgãos do corpo, em especial o cérebro e o fígado.

6. Este medicamento é comprado sem receita médica. Seu consumo precisa do aval de um especialista? Independentemente do tipo de remédio, a automedicação não é uma prática aconselhável. No entanto, pessoas que já fizeram uso do ácido acetilsalicílico e apresentaram boa tolerância à droga poderiam empregá-la para combater febre, dor e inflamações. Mas o uso não deve ser prolongado, para se evitar o aparecimento de efeitos colaterais sérios.

7. Em que outros males o comprimido poderia auxiliar? Outros possíveis benefícios do ácido acetilsalicílico ainda estão em estudo e prometem novidades nos próximos anos. Cientistas australianos anunciaram que o AAS poderia reduzir o risco de câncer de pele, por bloquear a ação de uma enzima ligada à doença. Na revista americana Science, trabalho com ratos diabéticos demonstrou que altas doses da droga conseguem abaixar o nível de glicose no sangue. (Ainda não se sabe se diabéticos poderião usar o comprimido, uma vez que a superdosagem traz outros males).

Já cientistas americanos descobriram evidências de que o uso regular de AAS seria capaz de adiar o surgimento do mal de Alzheimer. Outra pesquisa, na Espanha, apontou que seu consumo antes de dormir reduz a pressão arterial em hipertensos.

FOTO: DIVULGAÇÃOCaio Medeiros é médico cardiologista que atua nos hospitais São Luiz e Santa Paula, de São Paulo

FOTO: FERNANDO GARDINALI. PRODUÇÃO: LUANA PRADE.
AGRADECIMENTO: CAMICADO (COPO DE VIDRO)


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.