Viva Saúde
Edição 20 - Dezembro/2005
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

Sete perguntas para um especialista
  PINTAS: fique atento a esses sinais
Pretas, castanhas, redondas, ovaladas, planas, elevadas, pequenas, grandes... A maioria delas é inofensiva e embeleza o corpo. Mas algumas podem virar câncer

FOTO: SÍMBOLO IMAGENS 1. É verdade que as pintas são lesões?
Sim, uma vez que qualquer alteração na pele (ou seja, mudanças de cor e textura) pode ser denominada assim. Normalmente, nos referimos às pintas como nevos melanocíticos. A palavra nevo vem do latim naevus, que significa mancha, e melanocíticos é um termo derivado de melanócitos, as células que contêm a melanina (que, por sua vez, corresponde ao pigmento que dá a cor à pele). As pintas, portanto, são manchas escuras, em geral de caráter benigno.

2. Como elas se formam?
Durante a vida embrionária, algumas células se alteram e formam os nevos, que podem aparecer desde o nascimento (nevos congênitos) ou surgir durante a vida (são os nevos adquiridos, especialmente pela exposição solar, mas também por conseqüência da gravidez e do uso de pílulas anticoncepcionais). Ao todo, um indivíduo costuma ter em média 30 pintas espalhadas pelo corpo, porém a quantidade desses sinais, bem como as suas respectivas cores e formatos, irão depender de cada tipo de pele e padrão familiar. Há uma tendência genética ao aparecimento dessas pintas. Tanto que negros, por exemplo, geralmente manifestam menos do que brancos. E algumas pessoas apresentam sinais até nas áreas cobertas, como região glútea, que não recebem exposição do sol.

3. Qual a diferença entre pintas e as sardas?
Ambas são manchas escuras, porém as sardas serão sempre manchas de tom castanho-claro. Já as pintas (ou nevos) podem apresentar variações, seja na cor (indo do marrom mais claro ao preto) ou na forma (redonda, ovalada, pequena, grande, planas, sobrelevadas, com pêlos ou sem).

4. Toda pinta pode virar câncer de pele?
Não, felizmente uma minoria das pintas que temos tende a se tornar um tumor maligno. Elas são chamadas de nevos atípicos e podem ser reconhecidas por meio da aplicação da regra do ABCD. Essas letras correspondem a quatro aspectos desses sinais que devem ser observados e indicam perigo de tumor: Assimetria (quando as pintas são irregulares); Borda (de limites imprecisos e contornos irregulares e mal definidos); Coloração (várias tonalidades diferentes dentro de uma só pinta, desde marrom e preto até vermelho, branco e azul); e Diâmetro (os nevos começam a crescer e atingem mais de seis milímetros). Há casos de famílias que apresentam esse tipo de pintas e, conseqüentemente, têm risco muito alto de desenvolver o melanoma.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.