Viva Saúde
Edição 18 - Outubro/2005
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  A escolha do absorvente

POR JAIRO BOUER

FOTO: MÁRCIA SCHIESARI
JAIRO BOUER É MÉDICO PSIQUIATRA (SP)
"Há vários tipos de absorvente higiênico no mercado, alguns contendo aloe vera, camomila e até substâncias antiodores, como destacam suas embalagens. Estes produtos podem apresentar algum risco para o organismo feminino? Quais cuidados devem ser fundamentais durante a compra e o uso de absorventes?"

FLÁVIA B. BRAGA, RIBEIRÃO PRETO, SP

Algumas mulheres têm a pele e a mucosa mais sensíveis e, portanto, com maior predisposição a irritações e alergias. Para elas, produtos de uso íntimo contendo perfume ou corante podem desencadear facilmente crises alérgicas. E isso não vale só para absorventes, mas também sabonetes, papel higiênico, desodorantes, preservativos, entre outros itens. As consumidoras mais suscetíveis a infecções vaginais devem evitar absorventes adicionados de substâncias.

Outro cuidado fundamental é observar o tipo de cobertura dos absorventes externos - aqueles aderentes à calcinha. Alguns possuem camada de plástico que deixa a região mais "abafada" e úmida, um cenário perfeito para o aparecimento de fungos causadores de infecções como a candidíase.

Quanto às novidades que prometem acabar com o mau cheiro, há métodos bem mais simples para controlar este problema desagradável no período menstrual. Troque o absorvente externo com freqüência (a cada quatro horas ou até menos), mesmo em dias de pouco fluxo. Quando a menstruação sai do organismo, é comum que alguns microrganismos apareçam para participar da sua decomposição, causando um odor mais forte. Porém, se a troca do absorvente for feita antes de as bactérias entrarem em ação, isso pode ser evitado.

Outra dica contra mau cheiro e corrimentos é cuidar corretamente da higiene íntima. A recomendação pode parecer óbvia, mas muitas mulheres ainda não sabem qual a maneira correta de se limpar após usar o banheiro. O ideal é passar sempre o papel higiênico "de frente para trás". No sentido inverso, você acaba levando para a vagina bactérias que habitam o reto e o intestino. Na hora do banho, usar sempre água e sabonete e, depois, certificar-se de que a região foi seca devidamente, para evitar o acúmulo de umidade. Por fim, nunca manter calcinha ou roupa de banho úmida por muito tempo no corpo.

Um alerta especial deve ser dado a quem prefere absorventes internos. Apesar de serem muito práticos e discretos, seu uso requer mais atenção. As meninas que ainda não transaram podem, em geral, usá-los. Mas, antes, precisam fazer uma visita ao ginecologista para checar como é a passagem da menstruação pelo seu hímen. Mesmo sendo rara, há um tipo de anatomia que, em vez de apresentar uma perfuração grande central, tem vários pequenos furinhos por onde o fluxo passa. Tentar introduzir o absorvente por eles pode causar bastante dor e acabar machucando a garota.

"PARA DECIDIR QUAL A MELHOR OPÇÃO, CONSULTE O MÉDICO. MULHERES MAIS SUSCETÍVEIS A INFECÇÕES VAGINAIS COSTUMAM DESENVOLVER PROBLEMAS, COMO CANDIDÍASE, AO USAR ABSORVENTES COM PERFUME, CORANTE OU QUAISQUER OUTRAS SUBSTÂNCIAS"

Os fabricantes de absorventes internos recomendam a sua troca, no máximo, a cada oito horas. Mas os ginecologistas aconselham que o período não passe de seis horas. Por isso, à noite, quando for dormir, é preferível optar pela versão externa. E, se for nadar, troque de absorvente assim que sair da água, o que evita possíveis contaminações.

Um último toque é sobre a síndrome do choque tóxico. Trata-se de uma infecção bastante rara causada por bactérias, sendo que metade dos casos acomete mulheres que estão menstruando, além de estar muito associada ao uso de absorventes internos. Se não for tratada em tempo, pode ser fatal. Seus principais sintomas são febre alta repentina, vômitos, dor de cabeça, tontura e dores musculares. Então, caso esteja usando um absorvente interno e começar a apresentar esses sinais, retire- o logo e procure ajuda médica.

Escreva para Direto ao Ponto, por Jairo Bouer: Av. Alfredo Egídio de Souza Aranha, 100, Bloco B, 8o andar, Gja. Julieta, São Paulo, SP, CEP 04726-170 jairobouer@simbolo.com.br


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.