Viva Saúde
Edição 15 - Julho/2005
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  A DOENÇA DO MAU HUMOR
Se uma nuvem pesada de impaciência e irritação ronda seus dias e nada lhe dá prazer, cuidado! Esses sintomas constantes caracterizam a distimia, um transtorno mental que se manifesta por um eterno descontentamento

POR ALEXSANDRA FARIAS
FOTOS FERNANDO GARDINALI

Irritação, raiva, cara feia: quem nunca sentiu esse desconforto, essa sensação de explosão iminente? Perder a esportiva quando o carro quebra no trânsito ou quando o craque do seu time de futebol desperdiça um pênalti é normal. No entanto, se este estado de espírito ranzinza for rotineiro, independentemente de ocorrer algo bom ou ruim, o diagnóstico pode ser distimia - ou simplesmente a doença do mau humor. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 3% da população do planeta - cerca de 180 milhões de pessoas - sofrem com esse distúrbio. Trata-se de um transtorno mental que se manifesta por um eterno descontentamento. O distímico tem sentimentos de pessimismo e inadequação, angústia, autocrítica exacerbada, baixa auto-estima, cansaço constante, ceticismo, desesperança, preocupação, não sabe lidar com frustrações, sente-se preterido, rejeitado, raivoso...

Lembra muito o temperamento do personagem Saraiva - criado pelo comediante Ary Leite, na década de 50, e atualmente interpretado pelo ator Francisco Milani no programa Zorra Total, na Rede Globo -, que leva a vida excessivamente a sério, bradando o bordão 'Tolerância Zero'. "A distimia é um tipo de depressão com sintomas leves ou moderados que persistem por pelo menos dois anos consecutivos. Atinge todas as faixas etárias, classes sociais e sexos. Em geral, começa no início da vida adulta", afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, coordenador do Grupo de Doenças Afetivas (Gruda), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Mais sujeito a distúrbios

Desencadeado por um desequilíbrio na atividade química do cérebro, o problema se instala sem avisar. "Ele provoca uma mudança lenta de comportamento. O distímico desenvolve normalmente suas atividades diárias, continua trabalhando, porém com baixo rendimento", explica o psiquiatra Aderbal Vieira Jr., da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Não se detecta distimia em exames de sangue, tomografias ou ressonâncias magnéticas. Somente um especialista é capaz de diagnosticar o mal através de uma avaliação psiquiátrica, ou seja, uma averiguação do comportamento de cada pessoa e sua resposta a estímulos. "A doença surge por vários motivos, entre eles a vivência de situações desgastantes no dia-adia. Se seu início for precoce, ou seja, antes dos 21 anos de idade, ela é considerada hereditária. Quando ocorre mais tarde, está associada a fatores de ordem biológica, física, psicológica ou social. Indivíduos submetidos a estresses constantes, por exemplo, podem adquirir a doença com o passar do tempo", conta Moreno.

Mas como diferenciar uma pessoa distímica da mal-humorada comum? A resposta vai além da cara amarrada. Aquela que sofre com a patologia não tem capacidade psicológica de modular seu humor - sempre inadequado à situação real e com intensidade e duração prolongadas. Em outras palavras: não depende de força de vontade ou de pensamento positivo. "Costumo dizer que é uma doença que interfere diretamente na qualidade de vida de seus portadores. O distímico anda sempre de mal com a vida, mesmo sem motivos aparentes. Nada está bom e tampouco o deixa feliz. Para piorar, são mais suscetíveis a desenvolver doenças cardiovasculares, câncer, distúrbios imunológicos e problemas na sexualidade por falta de libido", alerta a psicóloga Aziran Souza de Magalhães, do hospital Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Também podem apresentar dificuldade de atenção, concentração e raciocínio, alteração do apetite e sono e queixas físicas, como náuseas, enxaqueca, dores nas pernas e estômago, prisão de ventre e diarréias.

Quando não tratado, o distímico corre o risco até de morte por abuso de álcool e drogas ou suicídios. "A doença ainda pode evoluir para a chamada depressão dupla, isto é, quando o paciente passa a apresentar quadros depressivos mais graves", diz o psiquiatra Elko Perissionotti (SP).

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.