Viva Saúde
Enciclopédia - Novembro/2006
 
Sumário da Edição
Edições Anteriores
Editorial
Sala de Espera
Consultório Médico
Aconteceu Comigo
Raio x
Leveza à Mesa
Atividade física
Saúde Natural
Mundo Infantil
Olho Clínico
Mais Vitalidade
Onde Encontrar
Internet
 
Exclusivo assinantes
Fale conosco
Assine já
Anuncie
 

  Viva bem a terceira idade
A receita básica para uma existência melhor contém ingredientes como alimentação saudável, exercícios físicos, manutenção de bons hábitos e ajuda da medicina preventiva. Veja como conseguir isso através desse prático manual para se viver mais e melhor

POR EULINA DUARTE

O número de idosos cresce gradativamente no mundo. Por aqui, eles representavam 6,4% da população em 1981; subiu para 8% em 1993 e chegou a 9,7% em 2004 (cerca de 17,6 milhões de pessoas), de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Hoje, a expectativa de vida no Brasil, para ambos os sexos, é de 71,7 anos. As mulheres vivem em média até os 75,5 anos, enquanto os homens até 67,9 anos. O fenômeno deve-se aos avanços da medicina e à nova visão da velhice. "A maioria das pessoas busca envelhecer de forma saudável, independente e com qualidade de vida", diz o geriatra Milton Luiz Gorzoni, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).

FOTOS: SÍMBOLO IMAGENS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, A SENHA PARA UMA VIDA MAIS LONGA

Não se deve descuidar da alimentação em nenhuma fase da vida. No caso dos idosos, porém, a atenção deve ser redobrada. Afinal, nessa fase ocorre uma redução da capacidade funcional do organismo. "A dieta do idoso deve ser bem colorida, rica em alimentos variados", explica a nutricionista Cínthia Perine, de São Paulo. Mais do que nunca, deve-se evitar o consumo de carboidratos refinados (açúcar, farinha de trigo), gorduras saturadas (bacon, carnes, frituras e cremes) e gorduras trans (chocolates, biscoitos, produtos industrializados). "Esses alimentos são considerados agressores para o corpo porque aumentam a incidência de doenças crônico-degenerativas, como diabetes, além de problemas como colesterol alto, doenças cardiovasculares, hipertensão e câncer, entre outros", afirma. Já a quantidade de calorias diárias varia de um indivíduo ao outro. "Mais do que as de calorias, o que importa é a qualidade do que está no cardápio", diz Cínthia Perine. "Aliás, temos de tomar cuidado com restrições calóricas muito severas, pois elas reduzem o fornecimento de energia para o corpo e para o cérebro. Assim, há diminuição de massa muscular e também da capacidade de cognição."Preste atenção, ao lado, às dicas da nutricionista.

O PAPEL DO GERIATRA
 
FOTOS: SÍMBOLO IMAGENSDe acordo com Milton Luiz Gorzoni, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), a função principal desse médico é administrar os problemas que surgem com o envelhecimento. "Com o avanço da idade, a pessoa passa a se consultar com vários especialistas e, conseqüentemente, acaba tomando muitos remédios, que podem não combinar entre si e até gerar reações", explica. O geriatra, portanto, vai gerenciar esses tratamentos e fazer uma revisão periódica, verificando o que é mais importante para o paciente. Segundo Milton Luiz, o primeiro geriatra da mulher, por volta dos 50 anos, é o ginecologista, ao tratar dos problemas gerados pela menopausa. Já os homens, antes dos 60 anos, devem ter um bom clínico-geral como médico de confiança.
 

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | 4 | Próxima >>


Faça já sua busca
no site da revista Viva Saúde


Copyright © 2008 - Editora Escala
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.